quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Poesias : arte-manhas do amor

AMAR: ARTE - ARTEIRA...

                                                                               
                                         
                                                                   VOCÊ

                                              jorge bichuetti
                                            

Verdes, teus olhos verdes
inspiram
o desejo de harpear
sons celestiais
onde a fé se faz esperança;
e o coração amado, um leito para descansar.

Terno, teu sorriso terno
alucina
visões siderais:
lua, saturno, cometas, constelações;
toda a via-láctea
fagulhando florações de um novo amanhecer.

Sonho amores paradisíacos.
um abraço fervilhante,
um beijo
com gosto de morango e mel.

És... um anjo.
Decaído? Ó não, és a vida esfuziante,
querendo a plenitude do amar.

Não te vês, nem te notas: pura beleza...
Desconheces tua doce realidade:
- Um ser respirando vapores do paraíso terrestre,
uma alma de muitos louvores
que tem, por cruz, a sina de em si Deus encarnar.

                                     ************************************
 
FANTASIA, PAIXÃO
                  jorge bichuetti


Beijo teus lábios, sugo teus humores...
Saliva melada, estrelas imaculadas.

Colo meu corpo no teu corpo,
desmaterializo e me traço
pássaro no céu
peixe no rio
vento na serra;
pois , contigo, sou coração enlaçado:
mente, demente;
sopro sussurrando...

O amor é azul, arco-íris, alvorecer...
Beijo teus lábios e me perco.
Tua boca me devora
e nela eu já nem sei;
se sou
ou se somente
embalo
os sonhos teus.
********************

AMOR: ENTRE O CERTO E O INCERTO

                                                                  jorge bichuetti


Amarás? Certo ou incerto?
De que vale o porto seguro,
se tens, em ti, o desejo                                 
de navegar                                                        
e navegando, descobrir
a força das ondas                                   
que te invadirão o corpo                                           
no velejo de alto-mar?                       
                                                                             
Amarás? Certo ou incerto?
De que te vale a certeza do telhado
que de tão entranhado
já não te permites ver o luar?
Certo ou incerto? Viverás? Como?...
Descobrindo, por certo,
as marcas que ficam
no incerto, porém, belo e divino,
da aventura de se dar
ao ser, apenas, um pleno...
um pleno amar...

2 comentários:

Samara disse...

Que lindo e inspirador...
Deu saudade do já vivido e do não vivido também. Que bom é sonhar, amar e viver. Navegar...
Bj, Samara.

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Samara, não sei se escrevo poesias para viver ou se são elas que me parem...
Sinto a vida, dura e áspera, sem os sonhos...
Sinto o caminho, ingreme e pedregoso,sem a arte de voar...
O vivido e o não vivido, pesa e dá saudade... Encanta... mas tam melancloliza...
Assim, a poesia é uma arte e uma artimanha que me permite seguir, sonhando com novos amanheceres. abrazos jorge