quarta-feira, 3 de março de 2010

BONS ENCONTROS: A MULHER E SEUS DESAFIOS

A MULHER, HOJE... PARA ONDE VAMOS?


Hoje, ouviremos a palavra de Maria Thereza Rodrigues da Cunha, psicóloga, mestre em saúde coloetiva, ex-secretária de saúde e atual secretátria de desenvolvimento social da cidade de Uberaba. Uma das pioneiras do projeto Caps-Maria Boneca...
8 de março. Dia da Mulher, hora de pensar nas lutas do caminho e na sua realidade, desfios e sonhos. Por onde seu porvir- liertação?...

Aqui, então, teremos sua reflexão sempre violosa, com espírito de quem sente o mundo, sonhando-o mundo novo...



" Querido Jorge, para mim é um grande prazer e um eterno aprendizado participar de algo com você, meu eterno amigo,companheiro de grandes lutas e grande mestre.

Coincidência ou não, sábado último, enquanto esperava para fazer exames, li na sala espera de um consultório médico uma entrevista com Patrícia Pilar onde ela falava que para a saúde de nossas vidas, precisamos manter um fio na dependência com o outro, senão a arrogância e a onipotência nos aniquila enquanto ser humano. Segundo Patrícia, a busca pela independência que a mulher tem vivido e experenciado nas últimas décadas tem trazido conquistas incríveis, mas também muita solidão.
Achei esta questão muito interessante, me fez pensar muito. O que ganhamos, com nossa ascensão profissional, social, no esporte e no mundo político nas últimas décadas? Com certeza muitas foram as conquistas, são vitórias inquestionáveis.
Também precisamos anasilar o que perdemos com todas estas conquistas, que a princípio, eu acredito ser a solidão a maior questão a ser pensada concordando assim com a atriz).
Hoje nascemos, crescemos, estudamos em mundo ainda muito machista, que incoerentemente recebe uma influencia muito grande (enorme) da mães/mulheres responsáveis ainda por grande parte da educação dos seus filhos. Vivemos um mundo novo, mas ainda educamos nossos filhos em patamares antigos, muitas vezes preconceituosos. Precisamos enfrentar esta discussão.......
Trabalhamos muito, crescemos, invadimos as universidades, o mercado de trabalho, mas ainda dirigimos pouco, comandamos pouco, situação incompatível com a contribuição enorme que damos a vida produtiva em nosso país.
A cada dia mais e mais mulheres cuidam sozinhas de sua família. Geramos os filhos, na maioria dos casos educamos quase que solitariamente, trabalhamos fora, mesmo assim são muitas as mulheres que padecem de escravidão familiar, sexual, que são mortas por companheiros inconformados com a separação.
O que será que nos falta? Não sei bem, mas se livrar de preconceitos arraigados, do moralismo impregnado durante séculos não é tarefa fácil e nem pequena, é de um gigantisco incalculável.
Talvez a grande sacada que as mulheres estão tendo com todas as suas conquistas e vitórias, foi de assumir que ela tem um jeito próprio, uma maneira diferente de ver o mundo, de se relacionar com as pessoas, uma capacidade não melhor, nem pior, mas diferente do mundo masculino. Esta diferença não é para nos diminuir, mas sim para que possamos compreender que temos um maneira própria de ver e de cuidar das ciosas e das pessoas.
Não somos nós que defendemos tanto a diferença? Pois é, as conquistas para o mundo feminino serão cada vez maiores, na medida eu acredito que as mulheres assumirem suas diferenças, seu modo característico de ver o mundo. Nossa sensibilidade, nossas emoções sempre a flor da pele, nossa capacidade de ver um mundo cada vez mais amplo, nosso apreço ao diágolo, não podem ser vistos como defeitos, como problemas, tudo isto é sim uma grande e diferente forma de ser e de viver.
Espero ter contruido....... "  Dra Maria Thereza Rodrigues da Cunha




Assim eu vejo a vida
                Cora Coralina

                                                                                      

A vida tem duas faces:
Positiva e negativa
O passado foi duro
mas deixou o seu legado
Saber viver é a grande sabedoria
Que eu possa dignificar
Minha condição de mulher,
Aceitar suas limitações
E me fazer pedra de segurança
dos valores que vão desmoronando.
Nasci em tempos rudes
Aceitei contradições
lutas e pedras
como lições de vida
e delas me sirvo
Aprendi a viver.
*****************************
 
Uma mulher
          bruna lombardi



Uma mulher caminha nua pelo quarto
é lenta como a luz daquela estrela
é tão secreta uma mulher que ao vê-la
nua no quarto pouco se sabe dela

a cor da pele, dos pêlos, o cabelo
o modo de pisar, algumas marcas
a curva arredondada de suas ancas
a parte onde a carne é mais branca

uma mulher é feita de mistérios
tudo se esconde: os sonhos, as axilas,
a vagina
ela envelhece e esconde uma menina
que permanece onde ela está agora

o homem que descobre uma mulher
será sempre o primeiro a ver a aurora.
*********
A MARIA THEREZA NOSSA GRATIDÃO PELA CONTRIBUIÇÃO, E TODOS QUE REFLITAMOS E QUE USEMOS NOSSAS FORÇAS PARA QUE O MUNDO SEJA MENOS MACHISTA E VIOLENTO, MENOS ALHEIO AO TERNO E SUAVE, GUERREIRO E AMIGO QUE NOS TRAZEM
AS MULHERES


Agora,  teremos conosco a palavra de Evacira Coraspe.
Evacira Coraspe, jornalista, é uma liderença de inegável lucidez: exemplo de solidariedade, serenidade e cidadania.

EVACIRA CORASPE

Evacira: O que pode a Lei Maria da Penha?

                                                       A Mulher tem proteção garantida?
                                                        Ou tudo ainda é um sonho?

A Lei tem alto valor social.
Como instrumento legal a Lei Maria da Penha, funciona como um freio à violência contra a mulher. É um ato punitivo para homens que agridem fisicamente suas companheiras. Seu aspecto efetivo refere-se a aplicação com eficiência, restringindo a impunidade e ferramenta que mete medo em alguns homens. Medo? Não garante proteção absoluta. Mas para quem não respeita, um pouco de medo já ajuda. O sofrimento não é apenas físico, mas emocional, psicológico, moral.
Se é um sonho?
O sonho reside em em ser participante de uma civilização, cujo contexto histórico não necessite de punições, ou leis para proteger a mulher, o ser humano belíssimo que é o sexo feminino.
Sonho que a sustentabilidade do ser humano seja sensibilização, educação e fraternidade.
Sonho com a renovação de comportamento, com mais amorosidade e que não seja necessário recorrer ao mundo jurídico para dizer basta. Não me agrida. Não me mate.
Sonho está na perspectiva de que: A mulher tem um corpo, onde existe uma alma e um coração que pulsa.
É preciso substituir a força bruta pela força carinhosa e dignidade.



EVACIRA, COM CARINHO RECEBEMOS SUA DÁDIVA... A LEI É UM PAPEL MORTO, SE NÃO VIGIAMOS, LUTAMOS, ASSUMINDO O SONHO DE UM NOVO MUNDO, MUNDO DE TERNURA E AMOR, ONDE A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA, NÃO SEJA VIOLADA PELO MACHISMO DOMINANTE...



Todas as vidas

                                                                               Cora Coralina



Vive dentro de mim
uma cabocla velha
de mau-olhado,
acocorada ao pé do borralho,
olhando pra o fogo.
Benze quebranto.
Bota feitiço...
Ogum. Orixá.
Macumba, terreiro.
Ogã, pai-de-santo...

Vive dentro de mim
a lavadeira do Rio Vermelho,
Seu cheiro gostoso
d’água e sabão.
Rodilha de pano.
Trouxa de roupa,
pedra de anil.
Sua coroa verde de são-caetano.

Vive dentro de mim
a mulher cozinheira.
Pimenta e cebola.
Quitute bem feito.
Panela de barro.
Taipa de lenha.
Cozinha antiga
toda pretinha.
Bem cacheada de picumã.
Pedra pontuda.
Cumbuco de coco.
Pisando alho-sal.

Vive dentro de mim
a mulher do povo.
Bem proletária.
Bem linguaruda,
desabusada, sem preconceitos,
de casca-grossa,
de chinelinha,
e filharada.

Vive dentro de mim
a mulher roceira.
– Enxerto da terra,
meio casmurra.
Trabalhadeira.
Madrugadeira.
Analfabeta.
De pé no chão.
Bem parideira.
Bem criadeira.
Seus doze filhos.
Seus vinte netos.

Vive dentro de mim
a mulher da vida.
Minha irmãzinha...
tão desprezada,
tão murmurada...
Fingindo alegre seu triste fado.

Todas as vidas dentro de mim:
Na minha vida –
a vida mera das obscuras.


EVACIRA

                                        ( Às mulheres que num devir família são, também, solidariedade)
                                                                             jorge bichuetti


Conheço alguém, alguém, afilhada da ira
que se atrelando à fé soube devir-ternura;
carregando sua cruz, o fel da vida atura
e, assim, mais do que musa , ela é a própria lira.

Lira, abelha, sol... Luta-alforria:
eis sua destinação, pratear o chão co’a lua,
para calar o pranto e fugir da dor crua.
Ela é alguém, alguém... A fiel, leal Evacira.

Erva-doce... De Goiás... Verdejante existir.
Gabiroba, cerrado, enfim, larva, elixir
de um jeito de amar por demais suavidade.

Mãe- carinho maior... Dá-se inteira; é ninho.
Esposa- coração amante; um cantar-passarinho,
trinando um estar pra nunca haver saudade


 

2 comentários:

Samara disse...

Uma Pequena Homenagem

Utopia Ativa: espaço também para reencontros, lembranças e reconhecimento. Maria Thereza, a Tetê, foi a professora em meu Curso de Graduação em Psicologia, que abriu as portas para grandes encontros: Maria Boneca, Jorge, Fátima, Tomasini, Parma, Campinas, Saúde Coletiva, Luta Solidária, Patrícia, Lancetti, Loucura, Angela, Sousas, Cândido Ferreira, Arte, Sonhos, Cida, Gastão Wagner, Santos, Las Madres, Rotelli, Trieste, Pavlovsky, Lia, Trabalhadores, Baremblitt, Basaglia, Políticas Públicas, Amor, Moffatt, Araxá, Beja, Companheiros de Estrada ... ... ...
Bendita mulher é essa, que apareceu quando nada ainda parecia fazer muito sentido. Como todo bom Mestre, jogou a semente sem se preocupar com a fertilidade da terra. Tinha sonhos. Sua trajetória e conquistas são coerentes com o que eu conheci.
Quase 15 anos se passaram e tudo continua muito vivo, talvez de um outro jeito, mas dando sentido à vida e ao viver.
Abraço fraterno,
Samara.

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Canto em coro: Tetê, vanguarda que descotinou e descotina horizontes, carregando ao longo de um vida o peso e os vôos dos sonhos libertários.
Amiga, irmã...
Uma intelectual sensível e inovadora;
uma amiga terna e compreensível...
Somos tribo: uma bela tribo...
e muito iremos rsemear pelo caminho.
abraços jorge