quarta-feira, 12 de maio de 2010

Proposições Descartáveis sobre o Amor


1. Amor é partilha, doação, compreensão, admiração, alegria e cumplicidade.
    É ternura e carinho, respeito e liberdade.
    É diálogo e silêncio, generosidade e solidariedade.
    É perdão e compaixão, acolhimento e cuidado.
    É gentileza e suavidade, tolerância e encantamento.
2. Amor é não-violência, confiança e lealdade.
    Não é posse, nem exclusão... Rizomatiza e tece redes... Se dá num processo de multiplicitação.
3. Não é um e outro, nem um nós uniformizado... É um entre primaveril, com floradas de jasmim.
4. O amor flui, não triangula... Nega-se competição, supera o individualismo.
5. O amor é desejante: desejo-tesão; desejo-carícia; desejo-companhia... e não é fuga da solidão, solidão compartilhada, partilha singuralarizada.
6. Fogo, se é inverno; vento-brisa-orvalho no verão.
    No outono, fruto-semente; na primavera, uma flor...
7. Não totaliza, nem fragmenta: inventa-se individuação.
8. Na tempestade, arco-íris; sol claro, caminhada; de noite, estrelas no chão.
9. Vive entre sonhos e sobrivive nos espinhos do caminho.
10. Mora na pele, pulsa no coração e vagabundea na imensidão.



10 comentários:

Marta Rúbia de Rezende disse...

Escrevi sobre o terceiro incluído. É um conceito muito interessante. Mas concordo com vc: amor não triangulação. O terceiro incluído tem outro sentido. O sentido de quebrar as polarizações. Quando tiver um tempinho , vou escrever sobre isso. beijo beijo beijo Marta

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

o amor é invento que se dá entre, o terceiro incluído já é uma passagem para que seja ele um rizoma e não um núcleo. Quebra-se o binário... abre-se para o n... Daí vale Guimarães rosa: " Qualquer amor já é um cadinho de saúde, um descanso na loucura."
Beijos jorge

Marta Rúbia de Rezende disse...

Jorge, muitas noites sem dormir. Finalmente dormi e acordei com a coragem de me despedir. http://uzinamarta.blogspot.com/2010/05/imanencia-uma-vida.html

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Navegar é preciso... e o mar, com seus encantos nos permite a descoberta de novas praias e novas ilhas, novos territórios, nova vida.
Um amor que fica, outro que irá chegar...
Vida, vida louca...
Estação do trem que chega e parte...
Vida, vida louca: a noite madruga alvorecendo; e o homem entre o sol e o luar.
abraços jorge

Marta Rúbia de Rezende disse...

Agir não reagir
Voltando à terra, à guerra pela vida. Agir, não reagir. Essa é a orientação primeira do verdadeiro guerreiro. E os guerreiros do conhecimento contam com a estrela-guia do Nietzsche, para mim o maior guerreiro de todos os tempos: "fazer do conhecimento o afeto mais potente". E ainda por cima, os guerreiros podem contar com as Lições de Baremblitt. Uma delas: não ser escravo das ilusões. Para viver e se sentir vivo, trabalhar e se relacionar criativamente. Ajuda é que não falta pra gente sair do buraco. É só abrir os olhos que acha, nem precisa procurar. Ótimo amar, mas que seja um amor que eleve a sua vontade de vida. Amor que faz a gente se sentir um bagulho, adios. "Partir. Evadir-se, traçar uma linha", já disseram os mestres Deleuze-Guattari. Mais vale um ex-amor inteiro do que um amor remendado. Mais vale uma vida de lutas, do que uma vida de migalhas. Então, vai aí, vem pra mim, essa linda música do Cazuza cantada pela Adriana Calcanhoto: Mulher sem razão.


"Saia desta vida de migalhas
Desses homens que te tratam
Como um vento que passou"


http://uzinamarta.blogspot.com/2010/05/agir-nao-reagir.html

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

" a balha fazendo mel
Vale o tempo que não voou"
Amar, amar - com a potencia alegre dos bons encontros e não machucado pelas feridas do que necessita passar, pois esgotou-se.
Reinventar-se, amando e reinventar o amor _ eis desfio. O persigo...
jorge

Marta Rúbia de Rezende disse...

Jorge querido, hoje comprei um livro lindo pra vc: O devir-criança do pensamento. Escreva pro meu e-mail o seu endereço pra eu colocar no correio: mrubia17@terra.com.br
Hoje, depois de um bocado de tempo de ausência de mim, me arrumei, fiquei bonita e cheirosa e fui passear feito passarinho.
beijo
Marta

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Marta Rúbia, obrigado!
Chega uma hora que enascemos e redescobrimos nossas potências.
Em Diálogos Deleuze dialoga com Parnet e fala da solidão do período de investigação/produção. É lindo...
jorge

Marta Rúbia de Rezende disse...

Vou ler. Tava mesmo querendo ver esse importante livro. Muitos bons livros tenho encontrado. Um deles, que estou lendo, é Jogo e Música em Deleuze. Aos pouquinhos, vou comentar essas leituras no meu blog. Estou numa fase de provas e entrega de trabalhos na escola. Então, vou sumir alguns dias. Mas, se puder, veja amanhã ou na terça o post que estou preparando "Beleza em Nietzsche" da palestra do Daniel Lins ontem em Guarulhos. O encontro com ele foi fantástico, cheio de abraços. Uma amizade que nasceu. Ele vai co-orientar o projeto de pesquisa que estou desenvolvendo. Mas nosso encontro foi muito mais que isso.
Utopia Ativa cada dia mais rico em jardins e florestas. Mui lindo usted. Gracias.
beijo
Marta

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Que o seu devir impercepitível seja feita de flores. pássaros e alvoreceres...
Na noite, um estrela...
No entartecer, o pôr-do-sol..
E nos entres, bons encontros com a fagulha insurgente dos sonhos. abraços jorge