sexta-feira, 24 de setembro de 2010

ADELMO CARNEIRO LEÃO

                                                                           JORGE BICHUETTI

Conheço o professor Adelmo Carneiro Leão desde o meus dias de estudante de medicina. Longa convivência...
Convivência que se manteve inalterada , mesmo com as incontáveis voltas dos ponteiros do relógio que dizia do tempo passado.
Juntos, lutamos pela anistia, pela reconstrução das entidades estudantis, pela constituinte, pelas diretas já...
Criamos, junto com outros professores e estudantes, o GEMS - Grupo de estudos de medicina social, e, então, trabalhamos na periferia, caminhando com o povo e fazendo de suas lutas o sentido das nossas vidas.
Ele é um grande amigo... Mas é muito mais do que isso: é um parceiro de sonhos.
Somhos de liberdade e justiça, solidariedade e ternura, cidadania e igualdade... Saúde para todos, direito à moradia, direitos humanos; enfim, vejo-o e não vejo um rosto, uma pessoa, uma autoridade, vejo o sonho e as lutas no idealismo de uma caminhada onde a indignação nos levou a buscar práticas de produção de vida e lutas de resistência diante das forças da morte.
Permanece no meu coração como meu eterno e querido mestre.
E com ele aprendo e nele me inspiro e assim vamos... Amassando o barro dos sonhos para construir hoje a utopia de uma eterna primavera.
Muitos falam e dizem crer no mesmo, porém, nele, sinto a indignação diante da fome e da miséria, da violência e da exclusão.
E quando vejo seus olhos indignados, basta que observe um pouco mais e sempre o percebo com suas mãos ativas , mãos de guerreiro que não cala, não se acomoda, não se intimida.... Luta e luta pelos oprimidos e excluidos, materializando na caminhanda a grande utopia " de uma nova Terra, e de um povo por-vir".
Seu defeito, se isto é um defeito, é que o prof. Adelmo já não possui vida própria: vive a vida dos que famintos, feridos , adoecidos, esquecidos necessitam de vidas doadas para que se reconstrua a própria vida , e vidas que cuidando de suas dores vão desenhando no horizonte o outro mundo possível.
Este é meu amigo: Carneiro, num devir anjo... e Leão, num devir guerreiro.
Ele na política vivencia o conceito de revolução de Dona Hebe de Bonafini: revolução se faz, fazendo; revolução se faz, partilhando; e revolução se faz, dando-se...
Como Dom Pedro Casaldáliga, eu grito: eu creio na justiça e na esperança...
E é em nome da justiça e da esperança, das lágrimas esquecidas dos oprimidos e excluidos , que expresso o meu respeito, o meu carinho e a minha aliança com o Professor Adelmo Carneiro Leão.
Meu apoio? me parece uma redundância, pois nele encontro os mesmos sonhos e as mesmas lutas que alimentam a minha fé.Talvez, a expressão correto fosse nos apoiamos na caminhada de transformar o mundo e mudar a vida.

4 comentários:

Valéria Batista disse...

Olá Dr. Jorge, hoje sai do Caps Maria Boneca convencida de que vou votar no Adelmo Leão. Graças à sua simpatia e o modo como o Dr. nos explicou o trabalho feito por ele.
Abraços

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

É que ele vive os mesmos sonhos que nos alimentanm numa caminhada de luta POR JUASTIÇA E LIBERDADE.
somos o sonho, sonhos a inclusão da loucura num mundo que margimaliza toda diferença. abraços jorge

Maria Alice Dias disse...

Adelmo e Linda, ele meu professor de Química (ai, ai, ai) e ela minha colega de turma....
Não vou nem falar o ano... Tempo cronológico não importa!
Acompanhei de pertinho o namoro, o casamento, a chegada dos filhos... o amor!
O que ficou foi uma admiração, um respeito, atualmente raros encontros, muitas saudades e uma eterna amizade.
O que nos separa hoje é apenas 500 km, mais nada....

Pedrinho, seu filho caçula e as cocadas da mamãe. Era um barato, saboreava todas... e pronto.
Adelmo e minha família moravam no mesmo pedaço, como diz hoje, no mesmo quadrado. Lembranças de todos, D. Luisa, seu pai, Carlinhos, Luísa, Madalena.... e Newton, que hoje mora no céu!

Construímos este laço fraterno e firme em outro tempo... tempo de cultivar amizades que seriam eternas.
Poucas pessoas sabem abraçar como Adelmo... e desde sempre.
É um abraço de carinho, o verdadeiro abraço, que hoje quase não temos mais.
Abraço que demora o tempo necessário, tempo para um coração falar ao outro coração: como gosto de você, como é bom te encontrar!
E tenho certeza, a Linda não tem ciúmes. Ela conhece e sabe do meu amor por ele.

Fico agradecida pela nossa amizade, construída e solidificada em outra modernidade.
Hoje? Modernidade líquida: tudo desaparece, evapora, não tem consistência...
Parece que as pessoas têm medo de se tocarem, de se amarem, de se abraçarem...

Dr Jorge, meu abraço de encontro e minha eterna amizade.
Maria Alice

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

miga, nos encontramos nos caminhos e nos descobrimos tribo: a tribo do sonho, da esperança e da dignidade...
Assim, vamos em busca da terra da ternura, assim, lutamos por justiça... jorge com abraços de ternura