sexta-feira, 26 de novembro de 2010

CINQÜENTA ANOS: E, AGORA JOSÉ?

                                                                                    JORGE BICHUETTI

Comunico: estou velho... Neste novembro, completei cinqüenta anos... E aqui estou, refletindo sobre os próximos cinqüentas anos, com a jovialidade de um menino que planeja seu próximo fim-de-semana.
O capitalismo mundial integrado nega um lugar à velhice... Então, já me vejo com problemas...
Será real este vaticínio?
O ocidente criou uma cultura de valorização do corpo viril, forte e apto ao exercício do trabalho, na dinâmica da exploração, da produção de mais-valia...
Deleuze dizia que a fragilidade tinha potência que não eram acessíveis facilmente na vigência de um corpo viril-forte-apto...
Negri diz que o corpo bruto do jovem é um corpo inapto ao amor e as produções onde o sensível e o terno, se mostram mais instrumentais do que um amontoado de músculo.
Fala ele que a sexualidade ganha qualidade... Qualidade na potência da ternura e da suavidade...
É inegável que os anos nos permitem viver com mais seletividade.
E eu? que desejo?...
Trabalhar e relacionar criativamente - como delimitou Baremblitt, pensando sua vida.
Quero seguir buscando... Minhas prioridades: ternura, solidaridade, compaixão, alegria, suavidade...
Quero a humidade de aceitar ser cuidado, e a valentia de continuar cuidando, mesmo nos dias em que corpo frágil rogar uma rede-de balanço...
Quero caminhar, sonhando... Reconhecendo no instante o apogeu da eternidade...
Quero ler, escrever, conversar, viajar, dançar...
Existe uma decadência física e mental que é dada pela estagnação de uma vida.
Quero minha vida em movimento...
Quero revolucionar a vida e o mundo, trabalhar pela esperança e pela justiça, indignar-me e lutar, ousar a rebeldia e as mudanças... Ir para a aurora de um novo tempo.
E não abro mão de meus amigos, todos... Dos velhos, dos novos e dos que vão chegar...
Afinal, eu quero mesmo é continuar amando a vida, as pessoas , o mundo e o universo...
Juntos, seguiremos... os próximos cinqüentas.

6 comentários:

Marta Rúbia de Rezende disse...

E agora, José? Agora é muita delícia. Livres , livres para amar. Não se preocupar com a morte nem com a velhice. A vida tem nos dado bastante. Ofertemos. Feliz cinquentinha!!!

O Velho E A Flor

Vinicius de Moraes / Toquinho

Por céus e mares eu andei
Vi um poeta e vi um rei
Na esperança de saber o que é o amor
Ninguém sabia me dizer
E eu já queria até morrer
Quando um velhinho com uma flor assim falou:

O amor é o carinho
É o espinho que não se vê em cada flor
É a vida quando
Chega sangrando
Aberta em pétalas de amor

Anônimo disse...

Olá amigo, força para vc. ....Buda observou que a tônica da vida é sofrimento e detectou 4 verdades que contribuem para isso.....
Quanto ao capitalismo é uma prática natural do ser humano e nasceu com ele. Ao longo dos tempos vêm se aperfeiçoando e continuará. ...... Existem países em que o capitalismo é democrático e a população o pratica. A troca de meia duzia de ovos por 1 k de feijão é praticado nas roças deste país ......Nos regimes totalitários, o capitalismo é estatal e com isso não tem crises, como é normal, tem e teve falência, como a URSS e suas colônias e Cuba, que ainda insiste no argumento de que a culpa é dos EUA e, quando Fidel incitou o povo a caçar os homossexuais, na década de 60, também falava em seus longos discursos, que isso era culpa de uma conspiração capitalista, para acabar com o seu "socialismo". E por aí vai.....
Vamos para frente, com tranquilidade e paz, pois a verdade mesmo, só se manifesta pelos sentidos..... O amor traz bons frutos

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Querida Marta, é a vida florescente... Flores, vinho e canções... Uma nova liberdade, uma nova suavidade... Vamos celebrar... abraços jorge

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Como é bom colher os frutos, semear os campos e ver o sol nascendo... A vida vale... enela, brilha o amor. jorge

Maria Alice disse...

Sou feliz, tentando fazer direito...

“Eu sei, se aqui cheguei, se conquistei o que eu queria,
cheguei porque teimei, porque apostei na travessia.
Não fiz tudo o que eu quis, mas sou feliz, não fui perfeito.
Errei, mas procurei fazer direito.
Andei, corri, voei, me atrapalhei, perdi o prumo.
Voltei, recomecei, replanejei, achei meu rumo.
Não fiz tudo que quis, mais sou feliz, não fui perfeito,
Errei mais eu tentei fazer direito.
Se eu me enganei, e eu me enganei, e me engasguei por querer demais.
Mas reagi, cuspi pra fora, e aprendi a mastigar.
E me refiz e sou feliz, não tenho pressa.
Amei, sofri, chorei, perdi, ganhei, joguei errado.

Cresci, envelheci, e agora eu vi como é engraçado, pensar no que eu já fiz pra ser feliz, quanta loucura!
Mas acabei de alma pura.
Pra ser alguém a gente tem que se guardar, tem que se doar.
E ser leal, e ser fiel, e não mentir e não fingir.
Se eu errei... sou feliz, tentando fazer direito”.

"Juntos, seguiremos... os próximos cinquentas."
Com a Lua, o sol e as estrelas. Amei...

Afetuoso abraço. maria alice

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Maria Alice, suas palavras são flores e estrelas, tornando belo o caminho... Caminhar na luta e pela luta... Com sonhos e pelos sonhos...
E cantar louvores pela bênção da amizade. abraços jorge