quinta-feira, 18 de novembro de 2010

CRIMINALIZAÇÃO DO USO DE FUMO: EXCLUSÃO SOCIAL OU INCLUSÃO DIFERENCIAL

                                                                              JORGE BICHUETTI

Genaralizou-se a proibição do uso de cigarro... Já não lugares disponíveis... Minto, alguns pobres re-cantos sob a chuva e alheios ao contato com as áreas de lazer, estudo ou trabalho.
Nós, fumantes, estamos excluídos do mundo de todos.
Que saudade do cigarro e café entre amigos, animados por diálogos que enterneciam a vida com o prodígio da amizade!
Que saudade do cigarro com a fumaça caçando no ar as ideias que fluíram da leitura de um livro encantado!
Que saudade!... A cerveja, as canções e os amores... Os amigos, o grito de gol e a confidência de uma dor.. o cigarro era fiel companheiro destas doces e ternas aventuras...
Porém, isto não é somente um desabafo, um choro atrasado...
Preocupante, é que o processo de desaparecimento da sociedade disciplinar, com seus mecanismos arquitetônicos de segregação marginalidade e exclusão social,persistem recuperados com precisão matemática e com a mesma regras de isolamento, humilhação e discriminação: há um dentro e um fora...
Não, talvez, pudéssemos concluir que a sociedade mundial de controle, que substitui à disciplinar, e impõe a substituição da exclusão pela inclusão diferencial, irá conviver pacificamente numa combinação harmónica com os os mecanismos de expropriação da liberdade típicos do modelo asilar, um muro e o isolamento... Visível ou invisível: o muro está presente...
Não nego os direitos dos não-fumantes, discuto aqui como o sistema soluciona gerando normativas excludentes, sen produzie criativamente um mundo de diversidade e liberdade.

13 comentários:

Marta Rúbia de Rezende disse...

Muito bom. Parabéns pela coragem de encarar esse tema que constitui uma das vertentes da fascistização da vida.
Nos EUA - o maior emissor de CO2 e outras partículas de contaminação atmosférica - não se pode fumar nem dentro da sua própria casa. Ao alugar um imóvel, há cláusulas anti-fumo que o locatário tem que engolir multas altíssimas caso fume um cigarrinho no aconchego do seu lar. Em muitos hotéis, há aqueles aparelhinhos que identificam a presença de fumaça e apitam como se os fumantes fossem ladrões...
O que os americanos não encaram é que formam uma sociedade altamente drogada por drogas lícitas e ilícitas... São os maiores consumidores de drogas de todos os tipos, mas drogas que não fazem fumaça....
É dos EUA que veio a onda antifumo assim como a da vida controlada por especialistas. É dos EUA tb que vem a guerra, o individualismo e outras drogas sociais perigosissímas. O resto do mundo os imita... em nome da saúde.
Por que é que os países da América do Sul entram nessa onda fascista? Se não têm nem saneamento básico que leva a doença e morte de tantas crianças?
Mais tarde ou amanhã, postarei essa matéria no meu blog com mais comentários. Não apenas porque sou fumante e me sinto usurpada, mas sim, principalmente, porque temos que combater o fascismo social que é crescente e muito perigoso, muito mais que cigarros.
abração
Marta

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Marta, quando perceberão que a opressão e o desamor arruinam a saúde, e que o cigarro - ancestral companheiro das viagens humanas, se algum mal realiza, nunca ousaram estudar seus benefícios...
Aqui, no ares libertários do sonho, cerceado por esta lei anti-vida partilhada..
Beijos, com saudade, jorge

Anônimo disse...

Pelo menos, no caso do cigarro, existem alguns fundamentos científicos, provados, que ele detona processos patológicos no organismo humano. Daí a repressão contra o hábito. ....O pior é quando os donos da verdade, que tomam o poder político de um país impõe suas "verdades", fundamentadas no misticismo ideológico ou religioso, que no fundo são a mesma coisa.... Pelo menos nos EUA , que não é nenhum paraíso, pois isso jamais existirá neste planeta, houve muitas discussões na população inteira, especialistas ou não, antes de implementarem as leis contra isso ou aquilo e o tal cigarro. Ou seja, o povo decidiu e não meia dúzia de iluminados, tipo o assassino Fidel, que acham o que é certo e errado para seus semelhantes. A democracia não é perfeita, mas é o que temos de menos ruim.

José caui disse...

Boa Jorge!!! Porque permitem que despejemos gases tóxicos dos veículos, do metano das criações de gado, dos esgotos nos rios e mares, dos metais pesados como mercúrio contido nas lampadas fluorescentes, e usados nos garimpos, contaminação dos alimentos por adubos químicos e agrotóxicos de multinacionais?... sem falar do lixo midiático, mas os defensores da "boa moral" sempre querem sair bem na foto e surfar na onda, pois sabem de antemão que irão colher muitos dividendos, não se importando com qualquer desajuste social decorrente. Grande abraço

Marta Rúbia de Rezende disse...

Publicada essa matéria no Uzina. Acho que ficou legal: http://uzinamarta.blogspot.com/2010/11/criminalizacao-do-uso-de-fumo-exclusao.html

Jorge, vai aí uma sugestão de vc pensar e dialogar com amigos que estão no Congresso de fazermos um rizoma internacional de blogs diferentes. Alguma coisa assim, ou seja, criar uma rede de blogs da moçada que atua, milita, estuda, pensa, ama, debate etc e tal a diferença, os deleuze-guattarianos e companhia... O encontro presencial dos blogs rizoma poderia ser incorporado nas agendas dos congressos de esquizoanálise. Por aí... Rizoma de blogs diferentes
beijo
Marta

Anônimo disse...

Por falar em criminalização, os regimes socialistas eram fartos nisso e condenavam á morte aqueles que insistiam com seus rizomas. Fidel incitou, em seus discursos, a perseguição sitemática aos homosexuais com o seu discurso decorado de sempre,argumentando que essas eram práticas capitalistas para destruir o seu paraíso socialista......e os homosexuais foram perseguidos. Muitos, mortos.

Josiane disse...

Ontem fui à uma cervejaria aqui em Uberaba, e fiquei estarrecida com a área para fumantes que eles possuem. É um cubículo com grades, não há ventilação, as pessoas se apertam ali e sentem como se estivessem em uma cela na prisão. Indignada, me coloquei a protestar tamanha exclusão social, pois, se temos o dever de acatar a Lei, temos também o direito de questioná-la.
Nos unamos para protestar contra tal fascismo...exigindo que ao menos as tais áreas para fumantes sejam adequadas, ventiladas e que tenham condições de nos receber tão bem quanto recebem os não fumantes.

Afinal...como falei para o dono da cervejaria: Sou fumante e não presidiária!

Prosa e Verso disse...

Jorge, q bom te ouvir falar do nosso companheiro de idéias - o cigarro. Bjos de saudades! Andréia

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Viva a liberdade e a liberdade inclui o respeito aos não fumantes, porém, a exclusão se dá a negação da existência de tudo que não cabe, que passa a ser deslocado para o porão. abraços jorge

José Caui disse...

Anonimo, há muitas coisas que fazem mal à saúde, mesmo que a "ciência" as tenha ou não alcançado. Ódio, Raiva, Rancor também fazem mal à saúde da alma e do corpo e nem nos preocupamos em distribuir Amor e generosidade. Vejo que a maioria das pessoas que rezam na cartilha fascista americana insistem em fazer cavalo de batalha com Cuba, que é exemplo de resistência ao modelo neo liberal, que inclusive países como o Canadá estão prejudicados pela política de embargo, deixando de receber medicamentos de Cuba para salvar vidas preciosas, não ouço ninguém se rebelar contra a prisão de Guantânamo em Cuba, onde pessoas sequer têem o direito de defesa e das torturas lá praticadas pelos americanos. Não ouço as pessoas defenderam os palestinos pelos atos de covardia que Israel(EUA) com bombadeio de bombas com uso de fósforo, proibidas por lei internacional, e embargos de alimentação e medicamentos, ninguém fala dos desrespeitos dos direitos humanos na Arábia Saudita aliada dos EUA. Será que o pensamento sobre a história do muundo se resume apenas em disputa entre Capitalismo e Socialismo?, ou apenas assim pensa por ter acesso à informativos de organismos privilegiam o capital e não os seres pensantes, que podem decidir por si mesmos? Abraço e saia do anonimato, pois aqui é um espaço democrático

Marta Rúbia de Rezende disse...

Discurso... Sou a favor, sou contra. Há tantas opiniões nesse mundo... sobre tudo.
Como sou da turma que sempre fica no porão, não acho a democracia tão bela assim... Mesmo assim, por falta de outra, viva a democracia!!! E viva o tabaco, companheiro de todas as horas!!! E viva a vida que não é certa, está mais pra torta. Boca torta com um pito na canto !!!
Beijo Jorge. Até... Vou sentir saudade. Muita.
Marta

Anônimo disse...

Eu , não sou contra os fumantes e nem o cigarro, embora não fume. O problema todo está no vento. Ele toca a fumaça para a cara alheia.....Como disse Bob Dylam: The answer my friend, the blow in the Wind.

Marta Rúbia de Rezende disse...

Jorge, my dear, estou aqui na terra não prometida. Cigarros? Nem pensar... Só muito escondido. No lugar em que moro, vc tem que andar uns dois quilômetros para acender um cigarrinho. E isso porque um colega boliviano me deu a dica. Os latinos, descolados por aqui. O melhor dos EUA somos nós!!!

Ando com dor nos ouvidos e garganta. Cigarro? Claro que o cigarro não faz bem. Mas esse troço de atribuir todos os males ao cigarro, sei não. É suspeito. A primeira pergunta do médico: vc é fumante? Daí já tem a resposta pronta. Pare de fumar. Mas, tento informar o médico: doutor, não foi cigarro que me deu isso... Ele nem olha na minha cara. E me passa a receita.

Jorge querido, a partir de amanhã, tô fu.... Muita tarefa, muitas aulas. Vou tentar me concentrar. Então, vou sumir dos blogs. Mas volto.

Gostei de saber que tá voltando pra casa. Voltar pra casa é a melhor coisa da vida. Aqueles chinelos velhos, aquele pijama desbotado, a cama da gente, os amigos, os filhos, a comidinha brasileira, a melhor do mundo. E a Lua... Welcome.

beijo
Marta

PS.: Esse cara aí, o anônimo, que raiva a dele... Desculpe-me, anônimo, não quis atiçar fogo na palha. Só foi uma manifestação. Mas vc gosta de me perseguir com seu antifidelismo, agora transvestido de antitabagismo... Seu estilo é inconfudível.