terça-feira, 9 de novembro de 2010

A IDADE DO LÔBO(A)

                                                                                    JORGE BICHUETTI

Costuma-se identificar uma crise: a idade do lôbo e da lôba.... Se dá próximo aos quarenta anos e se caracteriza pela voracidade sexual, pelo desejo de novas experiências, sedução e promiscuidade...
Devoradores e devoradoras: suas presas são usualmente pessoas mais jovens...
                                                             ***
Já Jung identificou uma crise, a crise dos quarenta, que na nossa sociedade, não necessariamente ocorre nesta idade...
Para ele, era a crise do amadurecimento, da indivuduação e da busca do si mesmo...
Explica: o homem até este momento não tinha vida pessoal, dava-se ao cumprimento das demandas sociais...
Edificação de uma estabilidade financeira e conquista de poder, construção e consolidação de uma família nuclear, aquisição de status e respeitabilidade no socius...
Enfim, cuidava da vida exterior e das expectativas do meio, de sua sobrevivência e de sua vitória na realidade social...
Seus desejos, seus sonhos, sua lenda pessoal eram reprimidas e dormitavam num plano secundário e invisível.
Jung percebeu que existia esta crise e que ela era uma viagem dantesta e sofrido ao inferno.
Tudo desmoronava... tudo perdia sua aura gloriosa...
É que o homem perguntava no silêncio da sua vida inconsciente:" existirmos a que será que se destina?"... qual o sentido da minha vida?... quais são meus desejos, sonhos e fantasias?...
Afinal, o homem começava a se preocupar com o sentido da sua vida: como usava o tempo, como gastava os anos, o que realiza e que não vivia...
Se descobria egoísta, individuaalista e solitário...
Pior: se via com um dia-a-dia que não fazia sentido...
Explicava ainda Jung que se houvesse conquistado, já estava dado a vida; senão, também, via que pouco valor tiinha aquelas buscas diante da morte que chegava, vagarosamente, como um analisador da vida vivida e do efetivo sentido da vida...
Para ele, a crise era superada com uma nova vida, onde os valores interiores e éticos, os próprios desejos e sonhos passavam a dar um novo sentido à própria existência...
                                                          ***
Perguntamos: é a idade do lôbo, uma outra crise, ou é ela uma tentativa de diante do inevitável da finitude, evitar-se de caçar um sentido para a vida que faça sentido... mesmo com a espreita da morte, pois é um sentido que nos afirma desejo-sonho; humanidade, homem-história...

2 comentários:

Samara disse...

Rapte-me, Camaleoa
Caetano Veloso

Rapte-me camaleoa
Adapte-me a uma cama boa
Capte-me uma mensagem à toa
De um quasar pulsando lôa
Interestelar canoa...
Leitos perfeitos
Seus peitos direitos
Me olham assim
Fino menino me inclino
Pro lado do sim...
Rapte-me
Me adapte-me
Me capte-me
It's up to me
Coração
Ser querer ser
Merecer ser
Um camaleão...
Rapte-me camaleoa
Adapte-me ao seu
Ne me quitte pas...
-----------------------------------
Rapte-me camaleão!!! rs
Ser, querer ser
Merecer ser
Um camaleão...
bjs, samara

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

os Lôbos correm na noite sob o luar e nós , vagamos entre o desejo e sonho...
abraços jorge