segunda-feira, 15 de novembro de 2010

MESTRE DO CAMINHO : MARIO DE ANDRADE

                Quarenta Ano

                                     MARIO DE ANDRADE
A vida é para mim, está se vendo,
Uma felicidade sem repouso;
Eu nem sei mais se gozo, pois que o gozo
Só pode ser medido em se sofrendo.

Bem sei que tudo é engano, mas sabendo
Disso, persisto em me enganar… Eu ouso
Dizer que a vida foi o bem precioso
Que eu adorei. Foi meu pecado… Horrendo

Seria, agora que a velhice avança,
Que me sinto completo e além da sorte,
Me agarrar a esta vida fementida.

Vou fazer do meu fim minha esperança,
Ôh sono, vem!… Que eu quero amar a morte
Com o mesmo engano com que amei a vida.

2 comentários:

Marta Rúbia de Rezende disse...

Não morra Jorge. Ainda é muito cedo. Envelhecer é lindo. Difícil (para mim pelo menos, muita batalha espiritual), mas lindo porque não há mais barreiras externas à transformação interior. Reafirma-se a liberdade e o amor. Como diz o sábio-poeta Drummond de Andrade, "amor é privilégios de maduros".

O outro Andrade, o Mário, está certo em conclamar o desapego à vida, pois apego é sempre sofrimento. Mas é ele também grande exemplo de luta pela vida. E ele está tão vivo ainda! Costumo visitá-lo na Paulicéia Desvairada. Beijo seus pés na Aurora, acaricio seu sexo no Paissandu, olhos seus olhos no Jaguaré, cheiro-lhe nos rosais, aprendo a sua língua no Ipiranga...

Feliz aniversário, Jorge. Desejo-lhe muitos e intensos anos de vida.

beijo
Marta

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Ressuscita-me... Não morrerei, sigo, a luta do caminho. tecendo sonhos e dançando o bailado das chuvas, para ver nossos caminhos florir. abraços jorge