domingo, 14 de novembro de 2010

POESIAS: VIDAS PELA VIDA

                                                            O SILÊNCIO DA NOITE
                                                                    JORGE BICHUETTI

Tudo silencia... os ruídos cessam...
Os carros, os gritos, as chaminés;
até os sinos pausam suas orações...

Alguns andam imersos nos próprios desejos,
outros mergulham no cosmo das reflexões...
Pés cansados de vadiar, e há os que voam sem pés...

Lobos, fadas, andarilhos... O povo da noite
segue... No sereno, experimentam os sonhos.
quietude, A noite é labirinto; o dia, açoite...


BALAS DE MEL
JORGE BICHUETTI

Amei, e não amo mais.
O desejo se fez fumaça...
Faltou prosa e cafuné...

                                                       SE ME AMAS
                                                                  JORGE BICHUETTI

Se me amas, cuida-me!
Não me abondones na solidão,
nem me deixes agônico de paixão...

Se me amas, ama-me!
Diariamente, com um novo carinho,
voemos para o céu, sendo um... um passarinho.

                                         INDIGNAÇÃO
                                                               JORGE BICHUETTI

Uma árvore cortada.
Uma criança faminta.
Um cão sem dono.
Um pássaro sedento de mata.
Um pai desempregado.
Uma mãe lutando com o aluguel.
Uma dor.
Uma lágrima.
Uma ferida.
Oh! Quanto a vida anda machucada
e nós, embrutecidos, amuados,
esquecidos de ser povo
e do que significa: ... Basta!...

2 comentários:

Lia disse...

Salve!Salve!Amigo menestrel! Poesia salpicada de paixão! Magia e encanto no olhar, ouvidos de lobo farejando pegadas de sonho... Abençoadas sejam tuas andanças desbravando territórios existenciais. Teu corpo canta o que vai na alma do povo e quando calas, já raiou um Novo Dia! Bj grande! Te vejo em Buenos Aires! Inté! Lia.

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Lia, em Buenos Aires, vamos ver a poesia viva Das Madres, dança poética dos bailarinos e nossa prosa que aurora, iluminando nossos camiinhos jorge