domingo, 7 de novembro de 2010

SOCIEDADE DE AMIGOS: POESIAS DE VIDA

                                             CARTA A MIM.
                                                 Paulo Cecílio

Se você percebe que ela o olha pelo menos uma vez por dia, como se olhasse o horizonte, permaneça.
Se ela lhe chama para olhar a chuva. Ponha a mão no seu ombro. Vá com ela à despensa. Faça pipoca.   Observe com ela a chuva que lava as dores, e prepara os dias azuis.
Se ela encosta-se a você, e nada diz, permaneça assim. O silencio fará com que você e ela sejam um.
Se ela puxa conversa,  converse todas as horas possíveis. O tempo perde o sentido e ganha virtude.
Se ela se queixa, ouça atentamente. Se não se queixa, descubra o que a incomoda. Conforte-a você, que conhece o tempo. Diga-lhe que amanha será um dia azul, e que você caminhará com ela pelo cheiro de novembro...
Se você fizer tudo errado, peça desculpas. Mande uma carta. Tente. Se nada funciona, tente de novo.
Mas, se você não encontra mais seu olhar, seu toque, seu tempo, se a chuva atrapalha, é tempo de partir. É tempo de adeus.
Se ninguém te aguarda, se não tem para onde ir, deixe seu corpo, para que não pereça, e abra a gaiola da alma. Meia alma fica. Meia alma voa. Bem Longe, para que quando vierem às lágrimas, o seu amor não veja...


FRONTEIRAS...
Paulo Cecílio 
COMEÇOU ASSIM: UMA COMICHÃO, UMA COCEIRA.
NO COMEÇO TINHA VERGONHA,
MAS ME SENTIA TÃO BEM/ PUS DE LADO A CERIMONIA.
DEI PRA FALÁ CA PRIMEIRA ESTRELA.
ACARINHÁ OS CACHO DÁGUA.
CUNVERSÁ COS PASSARINHO
CUMÊ SEMENTE CAS ARARA...

5 comentários:

Marta Rúbia de Rezende disse...

Eis-me na Paulicéia Desvairada. Foi lindo chegar em São Paulo e voltar a enxergar.
Jorge, acho que eu não devia ter ido aí. Sei lá, já fui. Fiquei meio revoltada chorona com esse cerrado, mas já tô n´outra. Já entendi, ou desisti, sei que a roda girou. Clareamento. Iluminação. Como diz o querido Osho: "É isso!".
Vamos falar mais do Osho. Gosto muito dele.
Podíamos postar vc escreve uma sobre Osho eu escrevo outra sobre Osho e a gente publica nos dois blogs. Topa?
"É isso" camarada.
beijo
Marta

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

marta, o cerrado e seus encantos conservam desencantos e desencontros.
Me encontou sua vida valente toda permeada de sonhos e magias...
Eu estava meio deprê... Mergulhado num riacho que levará as dores, na mansidão da sua viagem que corre lento para o mar.
Escreveremos... isso ou aquilo, mas sempre mirando os horizontes dodevir.
Abraços jorge

Marta Rúbia de Rezende disse...

Jorge, não achei vc deprê, eu é que fiquei deprê. Estados passageiros, porém potentes. Engendaram devires. Libertações. Martelo e medicina.

Filmei um bocado Uberaba. Mercado Central. Verduras. Gente. Muita gente. Burburinho. Céu do cerrado. Canto de passarinho. Filmei. Chorando, mas filmei. E ficou bonito. E eu fiquei mais boneca.

Sobre as bonequisses das mulheres, refiz o post da Lua. Coloquei mais coisas e você lá e eu também. Coloquei a sua dedicatórioa na revista que esqueci. Acho que foi isso que escreveu. Não foi?

"Marta, tão boneca
Tão deleuzante
Tão outra
Tão múltipla"


beijo Jorge querido da
Marta

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Marta, vela -estrela-lampião...
Luz na escuridão... Uma chama
de ardor e ternura... Num caminho audacioso de cavar os deviresnas p´ropria entranhas...
Beijos jorge

paulo disse...

josiane, não quero faltar com o respeito, mas lendo o seu "adeus",acho que você se despede de quem já vai tarde. o universo te aguarda incomodado.irrequieto. hoje à noite pisque, e verá tremer uma estrela...