domingo, 12 de dezembro de 2010

POR UMA NOVA TERRA, POR UM POVO POR-VIR

                                                                JORGE BICHUETTI

Muitos pensam a vida, de forma binária e daí um niilismo pinta de cinza o horizonte...
Toda miséria da vida, da ciência e da filosofia, para Deleuze, provinha do império dos és...
Assim, já começo este texto que cada reflexão parte de um paradigma, de uma visão de mundo e do mundo que vivenciamos no dia-a-dia.
Politicamente, sintonizo-me com Daniel Bensaid quando este afirma que um outro mundo é possível, mas mais do possível é necessário...
Não se trata de binarizar as opções entre o capitalismo e socialismo burocrático...
Para mim, trata-se de pensar que mundo queremos inventar e que valores éticos e estéticos nortearão nossa caminhada de reinvenção do mundo e de si mesmos.
Não é necessário rascunhar aqui as perversidades que nos impedem de aceitar a Terra como ela anda... A própria Terra clama e denuncia a inviabilidade da vida baseada na competição, na acumulação e na destrutividade.
Nem é necessário assinalar as misérias da subjetividade capitalística...
O homem não é... Ele devém e pode devir-se novo, diferente, uma singularidade terna e solidária...
O positivismo que via e lia a realidade pelo real quantificável, já consegue enfrentar as pesquisas que mostram a potência da virtualidade e criações inovadoras do caos.
A questão é si a mudança exige o protagonismo do homem que luta, sonha, se rebela e se insurge...
A própria caminhada de luta é um espaço de alisamento dos controles que nos subjetivam individualistas e competitivos, possessivos e movidos pela falta... E uma abertura para o disruptivo, o novo...
Uma Nova Terra, Um Povo Por-vir -  é uma utopia ativa...
Então, perguntamos: o que pode um sonho?
Alguns dirão que o sonho é um ópio...
Outros o verão movimentam as forças da vida na construção da história e o sentirão como potência de re-encantamento do mundo e da vida.
Muitos poderão dizer que tudo isto é desrazão, loucura e delírio... Silencio-me, pois não tenho a menor admiração e nenhum orgulho pelo mundo criado pela normalidade, pela racionalidade técnico-instrumental, nem pelo pensamento da lógica formal.
Ousemos sonhar.. Lutemos pelos sonhos...
Este  caminho... entre tantos me afeta e seduz pela sua capacidade de produção amorosa.
E pela força que emerge da vida que se sabe capaz de novos alvoreceres e novos voos na imensidão... Pela liberdade e pela vida, pela ternura e pela justiça , eu caminho... na sinfonia dos sonhos.

17 comentários:

Anônimo disse...

Concordo com tudo isso e acrescento o que Buda já tinha observado há 2500 anos: a tônica da vida é o sofrimento.
Mesmo assim podemos lutar por uma vida melhor para todos. Mas como fazer isso se a nossa mente mente e a verdade só é aquilo que sentimos? Como conseguir justiça? por aquilo que um semelhante nosso acha ou pelo óbvio dos fatos de que não é agradável, por exemplo, que um nosso semelhante mate o outro e por isso criamos leis para punir aqueles que fazem isso? Acho que é mais sensato. E por aí vai.
Assim é a realidade. Mutante.
Vão surgindo coisas desagradáveis e vai se tentando fazer com elas não aconteçam, atraves de regras, pois para se viver em sociedade, algumas regras devam existir.
Um fato é claro: a vida não fácil e paraíso por aqui é impossível. Só a paz e o amor podem trazer alguma felicidade. Como disse Johnn Lenon: "give peace a chance"

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Amigo, vamos tecendo com ternura um modo ser e conviver, onde o amor e ternura produza um vínculo solidário e de paz expontânea...
Devir Gandhi é um belíssimo caminho... Para que a a Terra e e a humanidade. abraços Jorge

Marta Rúbia de Rezende disse...

Jorge, não suma, please. "Give a chance".
Na radio uzina tem mais música pr´ocê. Ouvir samba em tempos de gelo é uma delícia. Esquenta tudo. Fiquei nesses últimos dois trabalhando e ouvindo sambas e vendo sambistas. Foi muito bom, me deu uma força, uma alegria, a produtividade intelectual e física foi lá em cima. Sim, é o corpo que pensa. O que pode um corpo? Um corpo pode sambar.
O mundo é um moinho.
beijo
Marta

PS.1: Das coisas vistas no Youtube, fica a dica de um vídeo com o mestre Candeia. Um documentário com ele, dividido em partes. CANDEIA É DEMAIS DE BOM.

PS.2 - Minha mãe dizia que conselho e caldo de galinha não fazem mal a ninguém e podem curar. Então, me arrisco carinhosamente a dar um palpite feliz para o anônimo que escreveu sobre o mundo, regras etc. DÁ-LHE NIETZSCHE. DÁ-LHE ESTÉTICA DA CRUELDADE. DÁ-LHE DELEUZE. O conhecimento não importa, mas o aprender é fundamental. Por uma máquina de guerra do pensamento!!!!!!!

Anônimo disse...

Concordo com o comentário desse anõnimo aí em cima, de que a tônica da vida é o sofrimento, como observou Buda. Por essas e outras o Homem tem obcessão pelo prazer. Faz tudo ppo ele, para contrapor à dura realidade neste planeta. Isto é na natureza do ser humano e por isso o mundo muda a todo minuto.Tudo pelo prazer. Quando se quer um mundo novo, isto é mais uma busca do prazer daquele que propões esse tal mundo novo.
Nada melhor que viver prazeirozamente, mas a violência, que é mais uma componente da nossa genética e instrumento de busca do prazer também é inegável. Devemos evitá-la, embora seja quase impossível. Ela está em todo mundo de uma maneira inescapável. Uma forma de violência ou incitação dela advem da má informação e com isso ela acaba por florescer como é natural na história humana.
Assim vemos ainda , pessoas "boas" falar contra o capitalismo, latifúndio, exploração de uma pessoa pela outra, etc só pelo pazer de achar que está salvando o mundo, quando deviam se organizar para fazer suas reinvidicações através do foro competente, que é a justiça estabelecida. Assim é que funciona a sociedade organizada. Sem ela é a barbárie de sempre e isso dá prazer para quem gosta de violência. Aqui no Brasil não existe latifúndio e capitalismo ou é democrático ou é estatal, como o foi em países socialistas e por isso faliram. Não existe o não capitalismo, assim como não existe o não prazer. E por aí vai.
brigado pela oportunidade.
Beijos , anônima.

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Que alegria poder sambar, sonhar e amar... A potência da amizade desiquilibra vida e coloca num plano de alegrias e prazeres que nos fortalecem no enfretamento dos sofrimentos...
Obrigado, pelos sambas e pela amizade, querida Marta...
Queridos amigos, continuemos dialogando e lutando por intensificar na vida a própria vida e ,assim,Desdobrar-nos num devir solidariedade ternura, aurora e boemia...
abraços, um bom dia...
jorge

José Caui disse...

A justiça é cega, mas a injustiça podemos ver a todo momento !!! Abraço !!! ao anonimo e à anonima

Marta Rúbia de Rezende disse...

A tônica da vida é o sofrimento? Pode me deixar fora dessa, por favor. A tônica da vida é a vida, ora dor, ora prazer, até que uma hora, dor e prazer são apenas pontos de vista experimentados.
abraço a todos. E aí não tem mais sofrimento.
Marta

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

A tônica da vida é a alegria ... dale , Spinoza! a tristeza só é um a pasagem... Uma ponte... uma transição... Não realiza o que a alegria efetiva no caminho que dado a florescências infinitas. Abração jorge

Marta Rúbia de Rezende disse...

Jorge, que bom que vc escreveu. Eu tô muito mergulhada no trabalho, mas não deixo de observar. E fiquei pensando que podia ter acontecido algo grave com vc. 3 dias sem postar? Bem, na verdade não é tanto tempo assim. Não podemos ser escravos de blog nem de nada.
Tô aqui com o coração apertado. Tá tudo bem comigo, mas fico vendo essas notícias do mundo... Quem imaginaria que o século XXI fosse começar complicado assim? Tem o lado bom da luta do povo em várias partes do mundo pela defesa dos direitos, mas era pra estarmos numa melhor. Não é?
Percebeu que tem um poeta kosovense seguindo seu blog e o meu? Escrevi pra ele, temos dialogado. Kosovo, que terra, bonita, que povo forte, mas passou por uma guerra que não gosto nem de pensar.
beijo
Marta

Anônimo disse...

Boa a tarde a todos e com a licensa de Jorge, quero apenas dizer que, quem disse que a tônica da vida é sofrimento foi Buda. De qualquer jeito e é fato, a vida não é fácil, pois nem todos podem ter prazer suficiente para contrapor às suas frustrações. Daí a violência de muitos para atingir seus desejos e de outros também, que sem saber ou sabendo, incitam outras pessoas a se indisporem, envenenando lhes a alma com mentiras. Isto é um fato. Infelizmente.
Devemos ter muito cuidado quando queremos dizer alguma coisa sobre os outros. Deve se ter fundamentos reais para isso. Deve se poder provar com fatos concretos aquilo que se afirma sobre alguém ou sobre qualquer outra coisa. É mais razoável e contribui para o bem estar de todos nós.
Beijos e paz a todos, anônima.

Maria Alice Oliveira Dias disse...

Querido Dr. Jorge, homem digno de ser chamado de HUMANO, que encanta...que com-partilha!

Os Textos, Poesias, Diários de bordo, de sua AUTORIA e que são postados no Blog Utopia Ativa, chegam até nós com uma sensibilidade e profundidade que toca.

Além de toda esta riqueza, estamos sempre emocionando, refletindo, aprendendo, com os COMENTÁRIOS interessantes, inovadores e com os COMENTÁRIOS diferentes de nossa visão.
Para lidar com as diferenças entre nós e as outras pessoas, temos que aprender ou re-aprender, que não podemos mais viver sem as virtudes nobres.
Dentre estas virtudes enfatizamos a TRANSPARÊNCIA como verdadeira dignidade humana.

É muito gratificante ler os comentários de: Marta Rúbia, José Cauí, Ismael, Lillian, Sumaia, Michel, Miriam Cunha, Samara, De, Helidamar, dentre outros tantos. Uma bela rede, uma rede social bela.
O importante, não é o que está sendo dito, nem como está sendo dito. O importante é que as pessoas se mostrem. É tão bonito, tão singelo...

“...Mostra a tua cara”, dizia Cazuza!
É preciso muito simplicidade e humildade para MOSTRAR A CARA, ser TRANSPARENTE.

Dr Jorge, HOMEM TRANSPARENTE, que é O CARA! Um afetuoso abraço.
Maria Alice

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Queridos amigoos, tudo caminha... e caminha, renovando a confiança que tenha na potência humana de devir-se solidariedade e ternura, na construção de transformações que dignifiquem a vida e o horizonte...
Ando melhor de saúde.. Nada grave, só uma allergia e minha intolerância
aos medicamentos...
Seguimos juntos... Uma sociedade de amigod na transversalidade do amor e da alegria que se celebra na produção criativa do novo, abraços com carinho.
jorge bichuetti

Marta Rúbia de Rezende disse...

Jorge, grande saúde para você e todos nós.

Bacana debater, mas é preciso sempre lembrar que não há palavra que possa com a verdade. Palavra é ficção, é invenção. O mundo está sempre em devir e a gramática fixa. Por isso, Nietzsche dizia "a gramática é a metafísica do povo", ou seja, do espírito de rebanho.

Acho que um dos embates mais importantes que devemos travar nessa vida é acabar com essa vontade de verdade dos humanos. Isso tem ido longe demais, a tal da "economia da verdade", com todos os estragos que faz pelo planeta afora.

Quem sabe o que realmente Buda falou? Em que contexto ele falou? Para quem falou? O budismo é de longe mais refinado que o cristianismo, mas ele também não porta nenhuma verdade.

beijo
Marta

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Marta, ele ewra a a impermanência e a utopia, com certeza, ressoa em mim que não falou no sentido de justificar a permanência da injustiça e da indigno.
Deve ter falado no sentido nietzscheano que percebia que só quem fora um dia aprisionado , tinhaforças para travessia inovadora da crise que gera espaço liso para o devir, o novo a aurora..
Beijos, querida.
Jorge

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Querida Maria Alice, te abraço e digo: concordo e assinalo que só discordo da tua perccepção sobre mim, que é pura generosidade de amiga. Abraços jorge

Maria Alice disse...

Dr Jorge vou ser obrigada a responder sobre o que discordou, do meu comentário postado no dia 15 de dezembro, neste mesmo espaço.

Você é um dos seres humanos mais especiais com quem topei ao longo da minha vida. Sua transparência e indignação pelas injustiças, sua visão de que ainda é tempo para um mundo com mais dignidade, fortalece-me para que possa voltar a produzir.
Quando termina minha seção terapêutica, no caminho de volta para casa, fico a pensar: como me encanta sua simplicidade e conhecimento, suas colocações e indagações, seu carinho e a forma cuidadosa de cutucar-me. Eu que o diga, o quanto meu caminhar na vida tornou-se mais leve, após ter te encontrado.

Por isto e muito mais, digo-lhe: “se todos fossem iguais a você que maravilha viver.”
Com muita certeza quero dizer-lhe: são inúmeras e inúmeras pessoas que pensam como eu, sobre sua pessoa.

Dr Jorge, não suporto falta de transparência, anonimato, prepotência, arrogância, orgulho. Saio do meu normal, que nem deve ser normal mais.
Um grande e fraterno abraço.
Maria alice

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Vale na vida a força da amizade e grandeza dos corações que me envolvem em sua ternura. Abraço de coração. Jorge