quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

SOCIEDADE DE AMIGOS: MULHERES, DEVIRES E PART-IDAS...

                 MULHER
                            Anne M Moor

A seiva da mulher vem de lugares
profundos da alma a pousar
ora no sorriso e semblante de paz
ora em um olhar fundo de tristeza.

A mulher sofreu ao longo dos
séculos, assumindo seu papel
Em silêncio. Silêncio quieto cheio
de um vozerio mal entendido.

O vigor da mulher a ensinou
a fazer diversas coisas ao mesmo
tempo, de “salto alto”
E sem pestanejar.

A mulher não é um ser maravilhoso.
É uma mulher e faz o que é de seu íntimo.
O homem não é ruim, é homem
e faz o que é de sua natureza.


         
                 ÀS MULHERES..
                          Adilson S Silva
( A todas as mulheres , especialmente
às mulheres da minha vida )

Mulheres de um Dia?
Como entender isso
Sem que o sentido nos traia?
Se são todas mãe da natureza,
Cuja origem é "GAIA"?
Mulheres atemporais,
Mulheres de todos os dias.
Se um dia é justa homenagem,
Porque não homenagear mais?
Meiguice, doçura
Equilibrio , harmonia,
Amor , paz
E tudo mais de bom que vier.
São meros significantes,
Que não conseguem te dizer "Mulher"

                             

                              POEMA DELEUZEANO
                                                 Tânia Marques

Pensamento sem imagem
Anarquia mental
Libertação total
de paradigmas territoriais
Palavras, textos, obras
falando por si só
a estética do nonsense
para dar significado
àquilo que nos amarra
que aprisiona as nossas singularidades
Nasce um poema deleuzeano
longe do lugar-comum
pois a criação
é uma nova possibilidade
de vida não-fascista
sem rótulos
sem marcas
sem estéticas corrompidas
o imprevisível
o intempestivo
surgindo para engendrar
uma beleza que não esteja subjugada ao poder
Milhões de incertezas brotando
Para fazer a diferença das diferenças
Luta filosófica ferrenha
entre palavras e sentidos
                                                            Eis um poema deleuzeano


 FOICE
            Paulo Cecílio
Foi-se doença cerveja.
Foi-se  paixão e dor.

Foi-se aurora vermelha.
Foi-se, Aurora, teu amor...

8 comentários:

Adilson - Rio de Janeiro - Brazil disse...

Maravilha ....elas sempre vêm e vêem toda de branco ...bacana ... justa homenagem ... abraços companheiro ... bom dia

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

ADILSON, QUERIDO, TINHA FEITO UMA POSTAGEM COM IMAGENS LINDAS, AÍ TRAVOU... E NÃO ERAM IIMAGENS PENSADAS, TIREI ALGUMAS E VOLTOU AS PSTAGENS. CONTINUEMOS.
SUA POESIA FICOU MARAVILHOSA, ESTA E A DO SEU BLOG, ABRAÇOS, JORGE

Adilson - Rio de Janeiro - Brazil disse...

obrigado Jorge ... vc sempre gentil .... venho sempre aqui me revigorar na energia do seu blog ... abçs

Anne M. Moor disse...

Obrigada por dar-nos espaço para fazer uma homenagem às mulheres que souberam viver!

beijos
Anne

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Adilson, vaos construindo o blog e a vida no entre das nossas caminhadas, encontrose sonhos... Eu que lhe agradço pela presença, contribuição e companhia, Abraços, Jorge

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Anne, somos um coletivo... um jardim onde brotam as flores da amizade e se alimentam os sonhos dos passarinhos.
O espaço das mulheres é uma construção no diálogo; e, um compromisso com a luta... Lhe agradeço pela parceria: sua presença é de uma mulher que celebraa a vida que que devia ser um direito de toda mulher.
Este espaço é nosso...
E você anda no meu coração, com ternura, Jorge

Tânia Marques disse...

Numa sociedade construída para favorecer os homens como é a nossa, só tenho a agradecer o espaço concedido em nossa homenagem e com muita ternura dar vivas à tua preciosa e brilhante pessoa.

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Tânia, o devir mulher é um eixo necessário a um outro mundo possível.
E persigo a busca de armar conexões entre os blogs para um calendário de lutas. Assim, pela vida, sonhemos e lutemos, abraços. Carinho imenso
jorge