quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

SOCIEDADE DE AMIGOS: POESIAS DO HUMANO DEMASIADO HUMANO

                     PURO DESEJO                      
                                    Lillian Naves

Nosso cheiro se entrelaça
Se seduz, se conquista
Serpenteia em carnavais

Na leveza do presente

presenteia com amar
do amor erótico livre

Sem amarras do futuro

Dança, brinca, graceja
Exala pela pele o desejo

Faz-se uma noite de cada vez

Deita amaciado entre cheiros
que nos mete em bons lençóis.
  POETAS E FLORES             
                                Adilson S. Silva

Tenho olhado as flores...
Já viram um girassol murchar?
Ficam tristes e murcham
Se não têm por quem brilhar.

Assim são os poetas.
Com versos vagos e vazios
Sem suas musas
Pra encantar.

Tudo é escuro e frio
Solidão dos versos
Aragem, estio
                                                 O MENINO GAGO
                          Paulo Cecílio

Era uma vez um mininim gago, contador de história. 
Sempre que a turma tava entediada, chamava o mininim, e dizia: 
minta, gaguim, minta pra mim. 
Quando a chuva ameaçava estragar a festa, 
chamavam o gaguim canhoto, 
e diziam, segura o guarda chuva, gaguim. 
Segura com a mão direita. 
Daí vinha o sol, e partiam. 
Um dia, o mininim gaguim disse: 
hoje eu também vou tomar sol. 
E foi.


2 comentários:

Marta Rúbia de Rezende disse...

Meninos tristes, a dor maior do mundo. Quietos, ok, como Guimarães Rosa, mas tristes... Corta o coração com navalha fina. E em geral toda essa desgraça é por falta de abraço. Fico vendo algumas mães e pais com suas crianças nos sistemas de transporte público, multidões. É uma relação dura que se tem com as crianças. Não se afaga. Sempre a bronca. Com os jovens também Jorge, vejo nossa sociedade agindo de forma muito cruel. Eles não contam com espaços para encontro, lazer, amizades coletivas que não seja o shopping center, que não seja lugar que se é obrigado a consumir. A noite os parques são todos fechados. Trancafiados. As praças tomadas pelos bandidos. Não era assim , Jorge. Vc se lembra? As parças e os parques eram do povo. Não são mais.
A vida anda muito maltratada. Qualquer gesto de amor, faz a diferença.
beijo Jorgito, um dia diferente para vc.
M

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Marta , o devir criança me encanta... Ando preocupado, pois sinto quue a uma engenhoca montaa no socius de abortamento da infância.... Teríamos, penso, que voltar a reinvindicar o direito de ser criança. Para postar, abri imagens de meninos ristes; tive, que parar, pois as lágrimas foram inevitáveis...
Pipa, bolha de sabão.. corre-corre na ladeira, banho de cachoeira... fantasias .... Atá o saci e a mula sem cabeça foram exilados.
Dá dó e preocupação, Jorge com carinho e mil abraços.