quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

UNIVERSIDADE POPULAR, A EDUCAÇÃO EM MOVIMENTO

                                                                     Jorge Bichuetti

Conhecemos o mundo dominante e suas táticas difusas de inibição, repressão, domesticação e formatação do homem e dos coletivos... Os fazem servis, pasivos e alienados.
Nesta perspecitiva, a educação se dá centrada num conhecimento superior que coloniza os ignorantes, os inferiores... O não-saber.
A universidade popular insurge e se inventa indignada com a opressão, com a alienação, com a tristeza e a miséria, com o desamor e com a deseperança, com a exploração e mistificação, com a própria função reprodutiva da escola e da educação que silenciam a lágrima do excluído e glorifica o gozo vitorioso do individualismo, do consumismo, dos fascismos e da própria soberania do saber instituído.
Ela é um insurgente... Uma educação em movimento... Uma utopia pela utopia...
Um caminho de trocas e partilhas, ferilizando a invenção de novos saberes e fazeres que sejam fecundos nos territórios do agir e do pensar, para a florescência da vida, da vida-libertação.
Uma educação em movimento é um processo que dissolve os prévios saberes e os discriminados não-saberes, e se propõe uma caminhada de invenção do novo, através das trocas e das experimentações, do diálogo e das bricolagens que, nos transversalizando, possibilita criativas potências, negadas pela vida e pelo saber segmentarializado e já dado nas mãos dos que detem o absoluto saber em oposição aos que padecem de completa ignorância.
É uma educação menor...  Pensando o estudo sobre Kafka.
Militante, coletivista, desterritorializante e inventiva.
... um espaço liso do devir e do porvir.
... um espaço de bons encontros e de paixões alegres.
... um espaço de autogestão e autoanálise; isto é, de criatividade e liberdade,
... um espaço de afirmação da vida e da construção de uma nova suavidade;
,,, um espaço de se instrumentalizar o sonho e autopia, o trabalho no dia-a-dia com os oprimidos e excluidos  na magia da luta por direitos e libertação.
Política? Apartidária, pública não-estatal, transversal e democrática, singularizante e de multiplicidades, rizomática e maquínica, todavia, sempre, um caminho mirando o sol de um novo alvorecer - "por uma nova Terra, por um povo por-vir".
Disciplinas? Espaços de produção...
Professores? Agenciadores...
Alunos? Coletivos...
Todo dia vemos a lamentação de que a educação não... me preparou,ou  não os preparou, para esta nova realidade de cuidado e acolhimento, de cidadania e solidariedade, da intervenções libertárias e de humanização da vida.
E, igualmente, escutamos, não existe no meu campo, saber especializado, um ofício diplomado, os caminhos e os instrumentos para um novo agir, um novo intervir...
Um doloroso não sabemos o que , nem como fazer...
A educação caducou.. O racionalismo pragmatista hegemônico não dá conta das necessidades e demandas de se realizar um trabalho de inclusão libertadora.
Sabemos sobrecodificar...
Sabemos enquadrar...
Sabemos explicar...
Contudo, não temos as ferramentas para um novo agir...
Neste e deste panorama, também, emerge a universidade popular.
Uma educação em movimento para co-inventar com os coletivos, ávidos de vida, novos olhares e novos fazres, eficientes no cuidado da lágrima e na potencialização da vida que pede, clama e implora um novo viver...

8 comentários:

Renato Muniz disse...

Iniciativa essencial. Conte comigo.

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Renato, sua dignidade e sabedoria nos chega como um sereno orvalho, depois de uma noite de extremo calor.
Você representa muito, para mim: coêrencia, vida sensível e terna e homem comprometido com princípios e valores, num tempo onde abundam tanta morte e desamor.
Precisamos de você... o sonho necessita dos que ousam viver no porvir, Abraços com imensa ternura, Jorge Bichuetti.

Anônimo disse...

Bem amigo, eu como sempre tenho minhas opiniões e muitas vezes ela é concordante e muitas vezes discordante.
Sobre colonização de um humano por outro, o veículo usado para isso se chama ideologia e ou religião.
Sobre educação, é nítido que o Brasil ocupa um dos piores lugares do mundo neste quesito. Isto, desde a doméstica até a escolar em todos os níveis. Só para citar um fato, a USP, a nossa menos pior universidade, foi classificada em 232ª colocação no ranking mundial.
Quanto a questão econômica, também vamos de mal a pior, pois forças "salvadoras" internas estão lutando contra a produção agrícola. São forças que parecem ser contratadas pelos americanos do agronegócio de lá, pois isto acabará com a nossa agricultura que concorre com a deles e trará mais fome para nós e mais dinheiro para eles, que já são ricos. E, logo no Brasil, que tem terras para todos: pequenas, médias e grandes agriculturas.
Ainda na economia: o consumismo é uma questão pessoal.Eu, particularmente, não sou consumista, mas o consumismo gera milhões de empregos e gera a concorrência entre os produtores, que são obrigados a abaixar os preços. Hoje quase todo mundo já tem um computador, que está cada vez mais barato, e como existe o tal consumismo, as pessoas compram outros e dão os , ainda ótimos, para aqueles que não tem. É um fato.
Outro fato,: as mulheres adoram comprar roupas e sapatos e assim nem bem usam uma vez. dão esses materiais praticamente novos para os outros. E por aí vai.
Enfim não existe nada absolutamente mal, ou absolutamente bom, mas sem saltos, a humanidade caminha. Para melhor.
É só seguir o ritmo da natureza: há tempo de plantar e tempo de colher. Milagres e almoço de graça só nas religiões e ideologias.
Obrigado e abraços.

Tânia Marques disse...

Coloquei material sobre a esquizoanálise no meu blog-http://wwwestudosculturaisemeducacao.blogspot.com e uma entrevista tua no: http://wwwumanovaeticahumana.blogspot.com
Espero que goste dos recortes filosóficos.
Gostaria de te sugerir a leitura do blog do psicólogo Fernando Reberendo
http://deleuzefilosofia.blogspot.com/
Abraços!

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Querido amigo, para se produzir um espaço de trocas e repensar os caminhos, nasce o sonho da Universidade Popular... Hoje, uma caminhada nos primeiros passos.
Nova filosofia, nova praxis, novas relações com a produção e a vida, um novo cuidado com o homem e a natureza...
Não creio em saltos; mas, creio em voos e nestes voos , legamos um quantum de vida que permitem o acelaramento dos fluxos criativos, Um abraço com carinho, Jorge

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Tânia, irei lá e passarei pelas veredas do devir da sua vida de inovação e criatividade, Obrigado.
Abraços com uma chuvinha mansa e um coração cheio de carinho. Jorge

Turma 2011 disse...

Jorge, apenas para ilustrar a questão do blog da classe, não é meu blog ainda, é de uma sala de aula da qual sou parte. Criei esse blog para apoiar os estudos da classe: http://ufabcalunos2011.blogspot.com/
beijo
Marta

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Marta, as iniciativas contagiam... alguém sempre dá um paso na direção dos encantamentos do horizonte azul e do alvorecer de um nvo temo, abraços, Jorge