sexta-feira, 25 de março de 2011

POESIA: UM AMOR... NENHUMA FLOR...

                                             SOMBRAS DO AMOR
                                                                         Jorge Bichuetti

Quanta dor!... Ver-te sofrer
sabendo que negas
as alegrias do meu amor...

Quanta espera!... Seguir-te
os passos do teus descompassos
sem pode dar-te
nem mesmo uma flor...

Viver, amando, e não ter
o teu carinho no meu ninho
deserto é a vida
de aridez,
de árdua dor...


                                   BURACO NEGRO
                                                              Jorge Bichuetti

Beijo o vazio
deixado por teus beijos
no oco espaço
do adeus...

Abraço o ar
e na ventania
não te encontro,
não me encontro...
tudo se perdeu...

Êta! nefasto abismo:
uma sacristia
sem Deus...


                            DECOMPOSIÇÃO
                                                       Jorge Bichuetti

Era primavera
nos meus sonhos,
nem vi o gelo
do teu olhar...

amei tanto
que nem vi o quanto
era o meu amor
um delírio,
solitário
e demente...
Não sabia
que na vida
nem sempre uma cova
fecunda a semente...

não sabia
que na vida
nem sempre o doce
hipnotiza a serpente...


                      DEPOIS, REVIVI...
                                             Jorge Bichuetti

Longe de ti,
revivi...
Vi o sol
e me deixei
ser visto
na luz do luar...

Agonizante, renasci...

Renasci no abraço,
no compasso
de uma nova paixão...

Agora, sei e sinto
que todo amor
pode devir-se flor,
se encontro no caminho
um novo ardor,
um encanto de louvor...














                         
            
              
                   HÁ UMA FLOR...
                                               Jorge Bichuetti

Há uma flor
no asfalto
no assalto
no alto
no salto
na vida
que se arrisca
e risca,
desenha,
se despe
se lança,
na dança,
andança
de caça
da cor
que sorri
no ápice
do amor...

Há uma flor
no ápice
no lápis
que escreve
poesia
magia alegria
alforria:
novo amor...

10 comentários:

Tânia Marques disse...

Belíssimos poemas... quisera eu ser a tua musa inspiradora...rsrsrs

PAULO CECILIO disse...

Jorge, "DECOMPOSIÇAO","HÁ UMA FLOR","BURACO NEGRO", TUDO DE UMA VEZ??? NÃO É PRUDENTE: AS USINAS DE TEU CORAÇÃO APAIXONADO PARECEM PRESTES A EXPLODIR. TUA POESIA FLUI COMO PROSA NA VENDA DE ESQUINA...QUE ISSO!!! ÓTIMAS!!!

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Tânia, como é bom canectar-te e partilhar a vida... fico feliz que tenha gostado. Hoje, repremi a Saracura, outra tentativa de escrever numa língua menor.
A musa... Você e a musa das minhas utopias mais sublimes.
Abraços com ternura, Jorge.

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Paulo, este seria meu grande desejo conseguir uma suavidade que a poesia fosse, assi, meio desabafo no bar da esquina e, também, um sonho num terreiro...
abraços, estou esperando suas, meu irmão,
a seca tá brava...
Jorge

Anne M. Moor disse...

Jorge

Dizer o que? Teu grito poético reverbera em nós. Lindo!

beijos
Anne

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Anne, meu grito poético se dá no entre das nossas conversações. Nada sou, sou pouco e amo poder estar com vocês, em que vejo a vida como um dia a terei...
Abraços com ternura, Jorge

Anônimo disse...

Momentos na vida
são assim
como folhas ao vento.

Percorrem caminhos
então,
nunca imaginados.
Se perdem nos redemoinhos,
emoções da natureza.

Gigante desgovernado,
invade
penetra
chama a tempestade.

Terra amante,
úmida´
fértil
sob luzes de raios

É o amor
que não bate à porta.

Chega e domina,
enverga
o coração.
Ser desavisado
perde,
por entre os dedos,
o norte do dia
e da noite.

Denise

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Lindo poema, terei imensa alegria de publicar-lo, abraços, Jorge

Rosi Alves... disse...

Amei espero uma visita sua beijos poeticos.

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Rosi, irei visitá-lo... com alegria e ternura; jorge