terça-feira, 24 de maio de 2011

DIÁRIO DE BORDO: FAZ ESCURO MAS EU CANTO

                                                     Jorge Bichuetti

O dia amanheceu luminoso: sol claro... No meu quintal, o cheiro das rosas se misturam com o perfume que nasce da terra orvalhada que lentamente evapora sua humidade impregnando o ar com o odor de seus desejos... Os sinos badalaram sua cantiga matinal... Minha Luinha , toda carinhosa, feito gente que sabe amar; enxuga minhas lágrimas com seus dengos de menina travessa...
Na luz do dia que começa, percebo o poder da esperança que no escura canta... e o poder do canto que no escuro acende as chamas da esperança e clareia...
"Faz escuro mas eu canto"...
Quando um jovem menino me acreditava um guerreiro; hoje, envelhecido pelo tempo e nas lutas, busco ardentemente o meu menino com suas armas e sonhos de guerreiro...
A esperança é ventania que move moinhos; transforma nossa ânimo e nos dá de novo coragem e ousadia para persistir caminhando...
Nunca sei, se ela nasce dos sonhos; ou se  é ela a grande parideira das utopias...
Não se sobrevive sem esperança; não se caminha persistente e teimoso sem sonhos...
"Viver é perigoso" - dizia Guimarães Rosa...
E os grandes perigos da vida estão no desânimo, na apatia, no derrotismo, na covardia... No se ficar no chão, ali, caído... Sem buscar novas forças para recomeçar...
Nosso corpo, na intimidade das doenças e na exterioridade da vida social, não mantém potente e ativo, resistente e inovador, capaz de se superar, se esquecemos que a esperança e o sonho são as magias do recomeço, do refazimento e da inovação...
Há uma clínica da esperança e dos sonhos...
Há uma política da esperança e dos sonhos...
Há uma ética e uma poesia da esperança e dos sonhos...
Na passividade, são forças reativas, que geram inércia, acomodação, expectativa paralisante; se ativas, mobilizam forças e vida para o caminho... No caminho, o dia amanhece... As sombras se dissipam... O chão floresce... Tudo construído, produzido e inventado na luta do guerreiro que filho da esperança que faz amor com os sonhos...
Há dias cinzentos, dias tristes... há momentos que nosso corpo dói, sofre , se retrai... Perdemos potência; adoecemos de desilusão.
Nestas horas, vemos o que pode a esperança e que pode os sonhos...
Esperança ativa que gera atitude e luta...
Sonhos ativos que inspiram insurgências e rebeldias...
Estamos todos adoecidos de fatalismo e niilismo...
É necessário, urge revitalizar nosso olhar e fortalezar nossos passos no caminho...
A alegria e o novo são filhos da vida remoçada que caminha , lutando; que sonha, caminhando... e que na travessia vai semeando, cultivando e vivendo o novo dia.
"Faz escuro mas eu canto"...
E, assim, recomecemos nosso dia, com o canto da nossa querida amiga e poetisa de Galiza, Concha Rousia, ela canta:
" Interdependência

O passarinho veio à janela
cantou para que eu saiba
que existo

Eu olho-o para que ele veja
como sabe voar" Concha Rousia

e se caminhamos, sonhamos e continuamos lutando, é porque a esperança e os sonhos nos reinventam amigos da humanidade...



10 comentários:

Anônimo disse...

Vim descansar meus olhos nos seus escritos meu amigo ..."Viver é perigoso" - como dizia Guimarães Rosa...sim,sim , viver é perigoso porque não é preciso ...não há precisão no viver ... a vida só pode ser .. sendo ...sem nenhuma certeza e ai eu não poderia deixar de citar Pessoa ..."Navegar é Preciso

Navegadores antigos tinham uma frase gloriosa:
"Navegar é preciso; viver não é preciso".

Quero para mim o espírito [d]esta frase,
transformada a forma para a casar como eu sou:

Viver não é necessário; o que é necessário é criar.
Não conto gozar a minha vida; nem em gozá-la penso.
Só quero torná-la grande,
ainda que para isso tenha de ser o meu corpo
e a (minha alma) a lenha desse fogo.

Só quero torná-la de toda a humanidade;
ainda que para isso tenha de a perder como minha.
Cada vez mais assim penso.

Cada vez mais ponho da essência anímica do meu sangue
o propósito impessoal de engrandecer a pátria e contribuir
para a evolução da humanidade.

É a forma que em mim tomou o misticismo da nossa Raça.

Fernando Pessoa"

Um forte abraço meu companheiro de viagem ...
Adilson

Anne M. Moor disse...

Jorge bom dia!

A esperança, me parece, é o que nos faz sonhar... Hoje vim aqui a absorver o perfume do teu jardim que tão bem descreves nos teus textos. Lindo!

beijão
Anne

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Adison, a sua presença terna e inovadora; o mar é o espaço da aventura-esperança-sonhos... um povo porvir, sua lembrança surge sobre o mar nos traz alento e inspiração: força de resitância do navegador das utopias amorosas e solidárias. Lhe amamos.
Abraços com imensa ternura. Jorge bchuetti

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Anne, sua presença perfuma e faz florescer a vida que pulsa andarilha à espera dos que queirem... Um carinhoso abraço, com ternura e votos de paz. jorge

Leka disse...

"Quando um jovem menino me acreditava um guerreiro; hoje, envelhecido pelo tempo e nas lutas, busco ardentemente o meu menino com suas armas e sonhos de guerreiro..."

Adorei todo o texto, mas principalmente esse trecho!

Obrigada pela visita lá no meu cafofo e volte sempre!
bjs e paz!
http://guerradosmundosleka.blogspot.com/

Celina Dutra disse...

Aegria, Jorge! Alegria por sentir tão grande! Alegria por conhecer bastante! Alegria por entender que a alegria de cada um torna a humanidade menos triste! Alegria porque a juventude de milhares pulsam na busca da felicidade sempre com confiança e esperança.
Bom dia, com girassóis.
Abraço com carinho

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Leka, amei a sensibilidade do seu blog. Um encanto terno... Luminosidade vital; voltarei muitas vezes...
A poesia e a escrita nos levam ao mundo das intimidades e das utopias; um mergulho nos desejos e sonhos ocultose um voo nas paragens do amanhã... Abraços com carinho; Jorge Bichuetti

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Celina, alegria que move o homem nos caminhos dos sonhos é a força que nos tira da apatia e nos joga no mar da esperança onde ondeiam o porvir , no vai-e-vem das lutas do barco que segue enamorado do horizonte.
abraços com carinho; Jorge

Concha Rousia disse...

Jorge, quando tu cantas, eu fecho os olhos e ouço a luz tocar meu rosto, nesta 'Longa Noite de Pedra' que vivemos os galegos, dizia o nosso poeta... e também o resto do planta, há 'Longas noites de Pedra' para todos, e há cantos para nós dar força e sair dessa noite escura...
Abraços com carinho, Concha

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Concha, cantamos a vida na esperança da poesia de descortina novos horizontes.
Abraços com carinho e paz-força guerreira. Jorge Bchuetti