sábado, 28 de maio de 2011

DO CAOS CRIATIVO À ANTIPRODUÇÃO

                                                           Jorge Bichuetti

A crise possui no seu âmago uma potência inovadora... Ela representa a falência da vida e do mundo instituído e, assim, a possibilidade de reinventar a vida e o mundo...
Não vivemos preparados para os redemoinhos de uma crise. Nela, emerge angústia, vazio, sensação de perda de sentido, depressão e surtos psicóticos. Nos organizamos e vivemos como se fôssemos permanentes, seres de identidade rígida, inalterável. toda crise dá a sensação que perdemos o chão... e o perdemos; porque nela há uma profunda desterritorialização, perdas dos territórios de referência que nos organizam como unidade imutável.
Vivemos permanentes crises... contudo, suaves e que acabam passando desapercebidas.
Uma crise intensa é extremamente agonizante; pois, atingimos uma desterritorialização tal que chegamos à fronteira... Lugar onde se pode produzir o novo, a mudança e um novo jeito de ser e existir; porém, também, um lugar que se não conseguimos uma reterritorialização criativa, a invenção de uma linha de fuga, um plano de novidade; nem sempre damos conta da velocidade e intensidade atingidas neste processo de desterritorialização do status quo.
É hora de profundo sofrimento, pede cuidado... agenciamentos de vida nova e acolhimento para as dores lancinantes que sofremos...
O caos é criativo: porém, representa perigos. que são:
1. a cronificação da crise com a repetição das dores e um funcionamento deficitário;
2. a captura pelas forças da reprodução da mesmice com um recuo, ossificando uma desvalia;
3. a ativação das forças de antiprodução que nos tatuam com as limitações da morte.
Como vencer os perigos da crise?
Se nos isolamos, ficamos mais vulneráveis... A partilha com o outro é continente.
Se mantemos em funcionamento aquilo que nos dá alegria e paz, podemos agenciar o novo fortalecidos por modo de viver onde não nos atolamos no lamaçal.
E se ousamos experimentar novos modos de viver que representam nossos desejos e sonhos, potencializamos a nossa capacidade saídas; pois recompomos a potência do nosso corpo.
E é neste sentido, que escutamos Guimarães Rosa: " Qualquer amor já é um cadinho de saúde, um descanso na loucura"
A arte é visivelmente um espaço de produção que mobiliza as forças criativas...
A solidariedade é uma potencialidade valorosa no impedimento da solidão que fragiliza e nos retrai.
E a esperança que nasce das utopias ativas podem e muito podem... são asas que nos permitem voar sobre abismos...

25 comentários:

Lis disse...

Passando por esse espaço e apreciando belos poemas n'uma manhã nublada, serena ( sem caos) rs
e com uma das citações sábias de Guimarães Rosa:
" Qualquer amor já é um cadinho de saúde, um descanso na loucura"
bom dia

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Lis, a calmaria do amor produz o novo e a vida plenificada com suavidade, longe dos redemoinhos dos caos. abrajos com ternura, jorge

Anne M. Moor disse...

Jorge, Jorge, que texto brilhantemente escrito e centrado. Adorei. Somos seres complexos, do caos e temos a 'sorte' de que a capacidade de autoorganização, característica do processo complexo nos acompanha. Teus conselhos neste texto é a mão que precisamos para nos reorganizar! Obrigada!

beijão
Anne

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Anne, precisamos usar com prudência a potência autopoéitica do caos; pois ali está também as destrivas. Um carinhoso abraços, Jorge

edumanes disse...

Este lindo poema que acabei de ler,
Que muito a realidade nos esclarece
Faz-nos continuar, sem nunca esquecer
Porque nem tudo o que é nos parece?

Se nos convence a ilusão,
Enquanto dura, faz efeito
Se faz sofrer o coração
Seu amor não é perfeito!

Bom fim de semana
Um abraço
Eduardo.

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Eduardo, que belo poema: um final de semana cheio de alegria, paz, amor e ternura. jorge

Anne M. Moor disse...

Com certeza, mas o que eu gosto da teoria da complexidade é que nos ajuda a entender processos de vida.

beijão
Anne

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Anne, e ai a vida flui com mais leveza, pois já não nos fixamos nos buracos negros da nossas desventuras e desatinos.
Abraços com carinho; Jorge

Evanir disse...

Querido Amigo..
Hoje vim buscar para levar comigo
o que escreveu para mim.E tamanha foi minha tristeza não sei onde esta.
Espero que esteja guardado no seu blog nunca ninguém me prestou uma homenagem tão linda assim.
Querido e amado poeta ..Um feliz final de semana receba meu abraço e todos os carinhos meus,Evanir..

www.aviagem1.blogspot.com

Evanir disse...

Eu de volta amigo poeta..
encontrei e já salvei comigo ..
Te agradeço de todo coração pelo carinho de você recebido..
Que Deus te abençoe sempre com esse coração divino.
beijos sua amiga para sempre,Evanir

Rosemildo Sales Furtado disse...

* Se nos isolamos, ficamos mais vulneráveis... A partilha com o outro é continente.

Já há bastante tempo, aprendi que uma dor dividida dói menos.

* Se mantemos em funcionamento aquilo que nos dá alegria e paz, podemos agenciar o novo, fortalecidos por modo de viver onde não nos atolamos no lamaçal.

Uma forma perfeita de gerir as nossas atitudes, evitará o destino da degradação, levando-nos ao bem-estar e, consequentemente, à felicidade.

* E se ousamos experimentar novos modos de viver que representam nossos desejos e sonhos, potencializamos a nossa capacidade saídas; pois recompomos a potência do nosso corpo.

Assim como o amor, a realização dos nossos anseios, também fomenta à nossa existência.

Belo texto amigo, parabéns!

Abraços e ótimo final de semana pra ti e para os teus.

Furtado.

Miriam disse...

Jorge, infelizmente eu não tenho este seu dom de me expressar por meio da poesia, mas vou escrevendo minhas ansiedades, conflitos, alegrias, medos num diário. Hoje, ao ler este texto seu, senti-me mais confortada, pois estava vivenciando um daqueles momentos triste, em que a desesperança toma conta do meu ser.
Eis o que eu escrevi ontem no meu diário:
"Inadvertidamente, meus pensamentos emergem contra tudo aquilo que lutei com afinco para acreditar. Seria o mundo ideal se tornando real? Ou seria apenas o real se mostrando como ele verdadeiramente é? Apenas alguns segundos, mas o suficiente para aniquilar os meus sonhos e os meus propósitos de vida. Esta fragilidade dos meus pensamentos me atormenta e me inquieta o coração. Bastam alguns percalços para fazerem brotar estes pensamentos cruéis, que me tiram a esperança e a fé na humanidade ou quem sabe apenas em mim mesma. E ainda posso me alegrar, pois são apenas momentos, pois novos pensamentos afloram a cada instante, é a minha vida cumprindo a sua natureza cíclica.”
Com carinho e admiração de sempre,
Miriam Cunha

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Evanir, estive dando aulas tdo o dia e só agora vi seu comentário; a poesia - que retrata seu trabalho ee sua sensibilidade amiga e cheia de ternura - está na postagem poesia de ontem... Vi que a encontrou: queria lhe abraçar e lhe dizer que cada palavra é uma expressão da vida que lhe conhece e lhe valoriza. Lhe admiro muito.
abraços com ternura; jorge bichuetti

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Furtado, um feliz final de semana com paz, alegria e bom ânimo. Criando caminhos e sonhos de felicidade, florescemos... Abraços, jorge

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Miriam, você escreve divinamente bem... A vida ´´e feita de momentos paradoxais: tristeza e alegria; desalentoe animação e no meio crises; nas crises podemos afirmar um novo modo de ser; porém, temos que criar pontes - um livro, um disco, um amigo, um passseio.... tudo pode ser ponte. Uma ponte sobre o abismo.
abraços com carinhoe afeto: jorge

DRYELE disse...

muito bom seu texto
obrigado pela visita
volte sempre tenha um bom final de semana
beijos
:)

andryelle.blogspot.com/

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Dryele, adorei visitar-la. Lindo blog.. As ,trocas nos enriquecem e nos faz sentirmos num mar de serenidade.
abraços com carinho; jorge bichuetti

SOL da Esteva disse...

Jorge Bichuetti

"E a esperança que nasce das utopias ativas podem e muito podem... são asas que nos permitem voar sobre abismos..."

Depois ou antes do caos. Sem calculismos, a Vida no seu curso natural sempre acaba por nos elevar á necessária Esperança.
É a força que nos fortalece.

Texto muito bem concebido, claro e didáctico, além de real.

Abraços

SOL da Esteva
http://acordarsonhando.blogspot.com/

Paulo Francisco disse...

Abalos mecânicos atingindo estruturas emocionais. Sim, todos os dias passamos por momentos adversos.
Gostei muito deste texto.
Um abraço

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Sol de Esteva; um alegria ver que compomos pensamentos de uma poética que pulsa o existir na ternura do amor.
abraços , com carinho, Jorge

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Paulo Francisco. um carinhoso abraço - sua poesia me encanta; jorge

multiplasingularidade disse...

Jorge seu post encaixa perfeitamente no meu recente momento de crise, e nos desdobramentos que foram gerados. Gostaria que me permitisse citá-lo no meu blog. Depois mando o link!
Abraços e bom final de tarde!

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Claro, que pode citá-lo e postá-lo sempre que queira: somos uma caminhada... abraços com carinhoe ternura, jorge

multiplasingularidade disse...

Obrigada Jorge querido! Segue o link como prometido:

http://multiplasingularidade.wordpress.com/

Abraços com carinho!
Thaty

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

THATY, IREI VÊ-LA: MEU CARINHOE MINHA TERNURA, JORGE