quarta-feira, 27 de julho de 2011

POESIA: ENTRE O CIO E O ÊXTASE

                   TRILHAS ENTRE A RELVA E O MATAGAL
                                                                         Jorge Bichuetti

Entre o verde das gramíneas e as frondosas árvores,
eu me deito... sonho... e voo entre o cio e o matagal.
O êxtase ciranda na fogueira; a cantoria aquece fios
que me ligam à ternura maternal da terra e ao cósmico
mundo de neón, máscarass e ovnis - mundo de metal;
e perdido no meio do caminho, ardo, longe do desejo -
o desejo é flor campestre, viola dedilhada no versar 
dos poetas e da catira, é simplicidade de um beijo e
a candura virginal do amor tecido na louca paixão lunar...

O amor não esqueceu seu berço, seu terço... sua romaria
pelos brejos, arrozais e campinas... onde mo cio e o êxtase
teciam no chão e no céu... safadezas angelicais... um amor
entre a ternura das estrelas e o trovejar do amor de Deus.



                                      SOLITÁRIO DESEJO
                                                       Jorge Bichuetti

Amo; só... Longe, a vida venta sibilantes conúbios;
e, eu, aqui... no quintal... entre as flores e o luar, há
um amor que germina, porém, é amor que se floresce,
floresce longe da turba que libidiniza a vida, mas, não
enternece a voracidade do desejo, que já em si celestial...



                          a solidão do falos
                                    jorge bichuetti

o homem anda nos labirintos da solidão:
quis possuir e não amar; quis consquistar;
e, um dia, no vantaval do tempo se viu
um pobre e desnudo menino carente...

o amor é flor que nasce na pele e reluz;
não é trunfo nem triunfo... e, longe, do jardim,
entre o espinheiral das loucuras do desejo vão,
o homem se viu de falos decapitado e com a
alma caçando nos bordéis os caminhos do coração...

3 comentários:

Hermenêuticas de Lou disse...

Sempre me encontro lendo seus poemas... Olha que existem muitos por aí. Mas poema de verdade é feito assim, contemplando cada unidade dessa nossa centelha vital, o universo... Abraço amigo Jorge. Que bom ter sua amizade mesmo que distante. Lou Moonrise.

Hermenêuticas de Lou disse...

Bom dia, são quase 7 da manhã, rsrsrs... Lou Moonrise.

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Lou: abraços ternos... a poesia nos dá acesso às entranhas da vida e nela vemos limites e devires; dores e sonhos... a vida como centelha que faísca o novo e sublime o humano para que aprendamos a viver, amando... Beijos com carinho, jorge