sexta-feira, 29 de julho de 2011

A VELHICE: DECADÊNCIA, DETERORAÇÃO OU UMA NOVA POTÊNCIA DE VIDA...

                                              Jorge Bichuetti

Vemos na velhice um estar no mundo entre o vazio e o fim... Equívoco próprio do capitalismo e do que Michel Foucault nomeou a ditadura da força bruta e da juventude...
O capitalismo exclui toda vida que perde a capacidade de ser força de trabalho na maquinária da produção de riquezas. De bens materiais... De mercadorias...
A medicina tende a desqualificar a velhice e quando atua parece fascinada com a busca da jovialidade física e da vida eterna...
É dado, assim, um lugar de desvalia para a velhice... Tanto que a negamos, fugimos dela.. e chegamos a segregá-lo nos asilos.
Cabe antes de apresentar o pensamento de Deleuze e Negri, recordar que este absurdo não acontece nos povos indígenas nem na cultura oriental. A velhice é depositária das tradições que sustentam a pertença coletivo, o espírito grupal, o valor da história e o culto aos ancestrais...
Gostaria de estar no diário de bordo, escreveria: como ando feliz e produtivo, cheio de invenções, na minha velhice... Porém, estou aqui... onde dialogamos com o conhecimento.
A temática da velhice desmonta todo um aparato midiático que identifica beleza num padrão musculoso, anorético e nonocromático... e saúde como corpo viril, fálico e silencioso.
A velhice é vista como um mal... uma decadência da vitalidade e uma deterioração das potências da vida... Pura ideologia... Ilusão que nubla a compreensão da vida que é movimento e pulsa bela e poderosa em cada um dos seus momentos...
Está desnuda que o olhar é o olhar da violência, do bélico e da beleza padronizada numa sexualidade sensorial-visual e oral...
Deleuze já dizia que a própria enfermidade gerava potência e devires... era singularizante e inovadora.
Toni Negri vai aprofundar nossa concepção de vida ao reconhecer que o envelhecimento é um gerador de potência, de intensidades novas que reencantam o existir...
A velhice não se apropria sempre do que pode um idoso porque sempre se sente pressionada a ser a força e a virilidade fálica-agressiva do império da vida que se afirma na dominação do outro.
Negri chega a afirmar que o sexo na juventude é de má qualidade... pois a juventude, no geral, está copitada por uma vida de velocidade voraz, de imediatismo e força bruta...
Para ele, a velhice alisa os estriamentos do mundo e potencializa, assim, o devir ternura, suavidade... A ternura e a suavidade são elementos imprescindíveis ao amor, à sexualidade, à amizade e às relações vinculares da sociabilidade solidária.
O tempo amadurece... dulcifica... enternece...
Vive-se pouco na velhice... porque não exploramos o que pode a ternura na invenção de um modo de amar e transar, de dialogar e conviver, de criar e inventar...
Como também temos depreciado o saber que emerge das experimentações... Sabedoria vem se convertendo num depósito de informações... E ai os velhos e os jovens são tolos diante do que pode um computador...
Mas, o saber engloba informações, vivências, percepções... um pensar com a vida que se potencializa com a maturação do corpo que já consegue ler o livro da existência não só com a matemática dos fatos, mas inclui a sensibilidade adquirida no caminhar...
Uma nova visão - a velhice é apogeu, não declínio...É brilho estelar... ofuscado por mundo que se embriaga com as luzes de neón e com as flores de papel machê...


2 comentários:

Loubah Sofia disse...

Boa noite meu estimado Amigo Jorge... saudades.
Virei logo mais, apreciei tua preciosa reflexão, mas desejo ler mais um pouco e com mais calma...o tema é amplo e rico, como tudo que escreves alias.
Tomei a liberdade de divulgar-te no diHITT.
Tantos seres humanos precisam de ler e ouvir a Ti sabes?
Assim como eu que tanto sou beneficiada com a riqueza do teu ser, certamente outros tantos o serão.
Por isso de antemão peço que
desculpe-me a ousadia, mas sabes que sou uma sincera admiradora e seguidora dos teus preceitos.

Meu carinhoso abraço e oxalá que estejas bem da malvada gripes

(risos)

Eis o link caso queiras dar uma olhada.

http://www.dihitt.com.br/n/auto-ajuda/2011/07/29/a-velhice-decadencia-deteroracao-ou-uma-nova-potencia-de-vida


Até logo mais.

Jorge Bichuetti - Utopia Ativa disse...

Loubah: seu carinho e atenção me dão asas e voando, sinto no ar... a ternura da vida que nos quer cheios de alegria e paz. Abraços teernos, jorge...
ps. irei ver e fico feliz que se multipliquem os textos. Abraços